QUEM SOMOS NÓS

Minha foto
Somos uma organização marxista revolucionária. Procuramos intervir nas lutas de classes com um programa anticapitalista, com o objetivo de criar o Partido Revolucionário dos Trabalhadores, a seção brasileira de uma nova Internacional Revolucionária. Só com um partido revolucionário, composto em sua maioria por mulheres e negros, é possível lutar pelo governo direto dos trabalhadores, como forma de abrir caminho até o socialismo.

sábado, 7 de fevereiro de 2015

AVANÇA O GOLPE PARLAMENTAR

Unir os trabalhadores nas ruas contra
o Golpe de Estado do Congresso Nacional [ 1 ]


COMITÊ PARITÁRIO (Coletivo Lênin - Resistência Popular Revolucionária - LC/CLQI)


Desde a manifestação da esquerda “contra a direita e por direitos”, convocada pelo MTST e ocorrida na Avenida Paulista em novembro de 2014 [ 2 ], até fevereiro, a oposição de direita, recuou nas ruas e avançou no campo institucional. Avançou dentro da nomeação do ministério de um governo acuado, avançou na política econômica, na taxa de juros, na reforma trabalhista, nas demissões, tendo seus apetites contidos apenas pela histórica greve por tempo indeterminado dos metalúrgicos da Volkswagen.

Mas a direita segue acumulando forças, coordenando-as e cercando uma Dilma cada vez mais isolada. A direita hegemoniza a grande mídia, o judiciário, avança nas duas casas do Legislativo, sobretudo na Câmara, e a Polícia Federal. Todos estes órgãos são cada vez mais influenciados e coordenados pela direita para acelerar o desgaste político do governo encabeçado pelo PT.

O instrumento principal do ataque é a famigerada “Operação Lava Jato”, que no plano econômico desvaloriza a Petrobrás e no plano político justifica a escalada golpista em nome do combate a liquidação da Petrobrás. A maior e mais importante estatal do país [ 3 ] é reduzida a uma galinha morta, prestes a ser retalhada e privatizada ao menor custo financeiro possível.

A escalada, articulada por etapas manipuladas por agentes diretos do imperialismo, consistiu em fazer escândalo de uma prática comum e tolerada em todos os governos burgueses (cujo tamanho na Petrobrás é tão grande quanto o tamanho da companhia). A partir daí, e em escala crescente e cinematográfica, prenderam inicialmente os grandes empresários beneficiados com a corrupção estatal, apertando-os e oferecendo-lhes o artifício fascitóide da delação premiada, para que, como fiança denunciassem o PT como articulador principal do chamado esquema do ‘petrolão’, que embora atinja partidos do governo e da oposição, é focado e superdimensionado para derrotar o PT. Uma vez desgastado mais ainda e desmoralizado o PT, com novos dirigentes presos ou com direitos políticos cassados, o governo Dilma estará pronto para sofrer um processo de impeachment posto em pauta acelerada pelo quadrilheiro e novo presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Por sua vez, a política anti-proletária de Dilma, de capitular a todas as pressões do grande capital financeiro e da oposição de direita, corrói o próprio capital político que a presidenta reuniu durante o segundo turno das eleições e que a permitiu derrotar a direita naquele momento. Deste modo, Dilma se desmoraliza, se isola das massas que se sentem enganadas e pavimenta o caminho da reação golpista.

APÓS VITÓRIA DA DIREITA NA CÂMARA, UMA SALTO
NO RITMO DA ESCALADA GOLPISTA E O CAÇADA AOS DIREITOS
POLÍTICOS DA POPULAÇÃO TRABALHADORA

A arqui-golpista revista “Veja” lança suas apostas e comemora a vitória de Eduardo Cunha afirmando que o governo Dilma está com os dias contados:

“A segunda feira começa com um clima de ressaca para a presidente Dilma. Um dia difícil depois da dura derrota que o Partido dos Trabalhadores sofreu aqui na Câmara dos Deputados. Eduardo Cunha, desafeto do PT que já impôs derrotas ao partido, foi eleito presidente da Câmara, ele que é do PMDB. A eleição foi de lavada, uma verdadeira surra em Arlindo Chinaglia, o candidato do governo. 267 votos. E a agora, aqui nos bastidores, como parte desta base aliada, que não foi tão aliada, mas composta pelo PMDB, o grande assunto são as novas CPIs que virão por aí. A primeira delas é a CPI da corrupção para investigar, além dos esquemas da Petrobrás, do ‘petrolão’, o que é investigado pela ‘Operação Lava Jato’, outros esquemas de corrupção que acontecem aqui, dentro do governo. Um dia difícil, um fevereiro que começa difícil para a presidente Rousseff, depois talvez do pior janeiro da história de um presidente, com um janeiro de muitas decisões desastrosas, de muitas decisões que desmentem o discurso da própria presidente um fevereiro que começa amargo, com Eduardo Cunha na presidência da Câmara dos Deputados. Vale lembrar que este cargo aqui é o que decide em ultimas instancia sobre os pedidos de CPI ou sobre eventualmente um pedido de impeachment. Eduardo Cunha já mandou recados de que não vai se dobrar para o Planalto. Ele logo que foi eleito fez um discurso conciliador, disse que não haverá perseguições, mas nos bastidores a relação entre PT e PMDB é das piores. Veio um xeque-mate em cima do Partido dos Trabalhadores e do governo da presidente Dilma. Aqui nos bastidores a oposição já comenta que estes serão os últimos 300 dias do governo da petista. São favas contadas, segundo uma fonte da oposição me disse, para que Dilma sofra um processo de impeachment e perca o mandato.” [ 4 ].

Esta derrota do PT foi um marco na escalada golpista que ganhou um ritmo mais acelerado rumo ao impeachment e a cassação de direitos democráticos da população. Ato contínuo, na mesma semana a direita, capitaneada por Cunha aprova na Câmara dos Deputados a Proposta de Emenda Constitucional 352/13 que

“A PEC cria as circunscrições eleitorais. Segundo o texto, o sistema de apuração dos votos continua sendo proporcional (as legendas e candidatos com mais votos assumem as vagas). Mas os candidatos deverão concorrer em pequenas regiões dentro dos estados, definidas pelo Tribunal Superior Eleitoral. Pela proposta, seriam criadas circunscrições em cada estado que elegeriam de quatro a sete cadeiras cada uma. Uma adaptação tosca e distorcida do voto distrital... Ou seja, são enormes a chances de deputados dos cantões serem beneficiados em relação aos grandes centros metropolitanos, onde há mais gente e mais fiscalização.” [ 5 ].

Esta medida favorece as tendências ao “voto qualificado” em detrimento do voto universal, aprofundando o federalismo oligárquico nacional que comanda os partidos burgueses no país, tradição burguesa autoritária antidemocrática denunciada pelas candidaturas da LC nas eleições passadas [ 6 ].

Mas não “só isso”, a “reforma política” iniciada pelo novo Parlamento mantém a farra do financiamento privado

“Na questão mais fundamental para a democracia, o financiamento de campanha, continua pesando o poderio econômico e não se moveu uma palha em direção à transparência. O texto propõe teto de despesa para a campanha eleitoral, mas joga para definição posterior pelo Congresso Nacional. Pela proposta, cada partido poderá optar pelo modo de financiamento, se privado, misto ou exclusivamente público. Ou seja, a farra continua. Claro que a maioria dos partidos vai escolher o sistema misto, pegando dinheiro público e dinheiro privado.” [ 5 ].

Outra manobra está no estabelecimento de eleições gerais anti-esquerda em 2018. Depois de sangrar e destruir o PT durante o processo de impeachment e sobretudo no período entre o golpe e as próximas eleições presidenciais:

“Outra lambança é determinar a coincidência das eleições municipais com as eleições estaduais e a federal a partir de 2018. Para que isso ocorra, a PEC estabelece que os prefeitos e vereadores eleitos em 2016 terão mandato de apenas dois anos, podendo se candidatar à reeleição em 2018. Hoje, como são solteiras, as eleições municipais são mais fiscalizadas, acompanhadas e debatidas do que as eleições estaduais...Unindo as datas, a campanha presidencial vai levar todas a reboque, em termos políticos e, principalmente, financeiros. Um candidato a presidente com apoio de muitos candidatos a prefeito terá mais chance que um candidato de partido com pequena penetração. Ou seja, o PMDB deitará e rolará. Imagine quanto não custará montar uma rede de candidatos a prefeito para apoiar os candidatos ao governo do Estado e à Presidência?” [ 5 ].

Dizemos que as próximas eleições presidenciais não serão somente anti-PT, com os principais expoentes do PT, inclusive Lula provavelmente “adoecido”, preso ou com os direitos políticos cassados pela extensão da teoria do domínio de fato até ele, mas também foi aprovada a “cláusula de desempenho” de lambuja, onde o restante dos partidos de esquerda, menores, serão postos na ilegalidade por não alcançarem um novo percentual mínimo legal de votos para existirem. Esta cláusula garante o oligopólio dos grandes partidos burgueses, obrigando os atuais políticos burgueses de partidos de aluguel a ingressarem nos grandes partidos patronais e o pior, a cassação dos pequenos partidos de esquerda como PSOL, PCB, PCO e PSTU. “a cláusula de desempenho, que exige que os partidos tenham pelo menos 5% do total de votos válidos no país, distribuídos em pelo menos nove estados, com um mínimo de 3% dos votos válidos em cada um deles” [ 5 ].

Fora do Legislativo nacional, a semana ainda contou com a renúncia precoce da diretoria da Petrobrás. O combinado entre a CEO da companhia, Graça Foster, os demais diretores, e Dilma era realizar uma transição até o final de fevereiro.

PIOR SERÁ PARA O PROLETARIADO

Todavia, se um impeachment será desastroso para Dilma e para a cúpula aburguesada do PT, para os partidos menores da esquerda e para os trabalhadores será muito pior. A maioria das organizações e do ativismo de esquerda age como deslumbrados em relação a este processo. Não poucos nos acusam desde o ano passado de estarmos delirando ou fazendo o jogo do PT, quando alertamos para o golpismo e o ascenso da direita, estando a maioria da militância atual tão abobalhada quanto o PCB, por exemplo, às vésperas do Golpe de 1964. E a quase totalidade, mesmo reconhecendo o risco crescente do golpe de Estado parlamentar, via impeachment, encara-o como algo pertencente exclusivamente ao mundo da alta política, um conflito distante, meramente palaciano e não vê os objetivos econômicos amplos por trás desta ameaça.

Se instaurará uma repressão política indiscriminadamente contra todos aqueles defensores do proletariado e povos oprimidos para liquidar toda resistência a uma ofensiva de superexploração de classe e direitos e assim, dar início a uma nova fase de acumulação capitalista e de alta da taxa de lucros no país. As reformas trabalhistas e sindicais, a terceirização, o fim do direito de greve,... que para os patrões estão atrasadas, serão aceleradas sob um governo de direita.

Por trás disto tudo está a estratégia dos EUA de recuperar grande parte da influência comercial e política perdida pelo imperialismo em favor da China e da Rússia sobre o Brasil e a maior parte da América Latina a partir a crise econômica de 2008.

Contra este curso desastroso para nossa classe, nós trabalhadores organizados politicamente no Comitê Paritário estamos neste momento intervindo para impulsionar uma Frente única nacional das organizações de esquerda e dos trabalhadores por reformas populares e contra a direita. Defendemos reformas no capital, como o aumento salarial, por exemplo, mas não somos reformistas, acreditamos que as reformas são subproduto da luta forte e decidida dos trabalhadores contra os patões e seus governos.

Ao mesmo tempo que buscamos construir uma frente única contra o golpismo, combatemos as tendências a conversão deste frente em uma aliança para colaboração com a política antioperária do governo Dilma ou com os governos estaduais e municipais burgueses, como o PSDB de Alckmin ou a prefeitura petista de São Paulo.

ENTIDADES DA CSP-CONLUTAS SE ALIAM A DIREITA GOLPISTA
NA CONVOCAÇÃO DE ATOS PELO IMPEACHMENT

Acreditamos que neste momento o papel dos verdadeiros defensores da classe trabalhadora nada tem a ver com a posição da Conlutas que reúne entidades sindicais como a Oposição Rodoviária de Alagoas [ 7 ] e sindicalistas que criminosamente se aliam a direita na convocatória da manifestação nacional pelo impeachment no dia 15 de março.

Nem apoiar a direita nem ficar indiferente a luta de classes como os agrupamentos e/ou blogueiros que se limitam a serem meros comentaristas da luta de classes, que, acomodadamente em seus sofás se mostram indiferentes ao resultado da disputa interburguesa nacional e internacional e esperam pelo pior, pois a classe trabalhadora será a mais atingida com a ascensão de um governo pior do que o de Dilma.

A CLASSE OPERÁRIA RESISTE COM O QUE TEM A MÃO


Acreditamos que a resistência dos trabalhadores a pressão dos mesmos sob as burocracias que controlam suas organizações sindicais já surtiu efeitos positivos neste início de ano como a vitória parcial contra as demissões na Volks e o recuo momentâneo do governo Dilma no ataque ao seguro desemprego.

Intervimos ativamente nos rumos da frente desde a reunião convocada no dia 19 de janeiro com a CUT, MTS, UNE, PT, PCdoB, PSOL, etc., sem alimentar qualquer aliança programática comum com estes partidos, nem com suas ilusões perigosas, com a da reforma política por exemplo, que pode subtrair ainda mais direitos sob a hegemonia deste novo Congresso ainda mais reacionário que o anterior, para não deixa-la converter-se em um instrumento impotente na luta contra a direita e a política dos governos burgueses.

É preciso disputar as ruas e a orientação das atuais manifestações e lutas, como a do passe livre, reconquistar os sindicatos para as lutas, seguir o exemplo das greves metalúrgicas por tempo indeterminado e/ou de solidariedade no ABC paulista, etc.


Notas

1. Optamos por utilizar a expressão mais popular “Golpe de Estado do Congresso Nacional” que “Golpe Parlamentar”, embora compreendamos que o sistema político brasileiro, já denominado por analistas políticos de “presidencialismo de coalizão”, ainda que formalmente seja presidencialista, funciona, na prática, como um misto de presidencialismo com parlamentarismo ou um semi-presidencialismo que permite que o presidente sofra impedimento caso o governo perca seu apoio parlamentar.
2. Manifestação da qual as organizações componentes do Comitê Paritário participaram apresentando suas posições políticas no panfleto: “Fazer do Brasil uma grande Cuba!” - http://lcligacomunista.blogspot.com.br/2014/11/marcha-popular-contra-direita.html
3. A Petrobrás é a maior estatal do país. Fatura quase o triplo que a segunda maior estatal do país, a BR distribuidora, que por sua vez é uma subsidiária da Petrobrás. A terceira maior estatal é a ECT (Correios) e a 4ª, a Sabesp, companhia de água e esgoto paulista.
4. http://www.folhapolitica.org/2015/02/comecou-contagem-regressiva-para-o-fim.html
5 . https://br.noticias.yahoo.com/blogs/plinio-fraga/como-esta-proposta-de-reforma-politica-e-cavalo-124317973.html
6. http://lcligacomunista.blogspot.com.br/2014/09/eleicoes-2014.html

7. Entidades ligadas a Conlutas convocando manifestações pelo impeachment: Estamos convocando não só a categoria, mas a sociedade como um todo, para realizarmos uma manifestação exigindo o impeachment dessa gang do PT. Venha mostrar a sua indignação com o caos instalado no país, com essa corja de gangster's do PT. e independente de sigla partidária, participe. Não podemos deixar que essa gang dilapide ainda mais o nosso país. chega de hipocrisia! sejamos os caras-pintadas do presente, do hoje, do agora!... Dia 15 de março, manifestação nacional com caras pintadas, para exigirmos o impeachment da chefe-mor dessa gang do poder! Participe para demonstrar a sua indignação!” https://www.facebook.com/profile.php?id=100008995062551

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Mais lidas nesse mês:

Mais lidas do blog:

SEGUIDORES