QUEM SOMOS NÓS

Minha foto
Somos uma organização marxista revolucionária. Procuramos intervir nas lutas de classes com um programa anticapitalista, com o objetivo de criar o Partido Revolucionário dos Trabalhadores, a seção brasileira de uma nova Internacional Revolucionária. Só com um partido revolucionário, composto em sua maioria por mulheres e negros, é possível lutar pelo governo direto dos trabalhadores, como forma de abrir caminho até o socialismo.

quinta-feira, 29 de dezembro de 2011

The Manifesto of the Luiza Mahim Collective (against special oppression) September 2007

Agradecemos pela tradução, feita pelo grupo Socialist Fight/CLQI, da Inglaterra. A versão em português está aqui no blog em:

http://coletivolenin.blogspot.com/2009/04/manifesto-do-coletivo-luiza-mahim.html



The Luiza Mahim Collective was a collective for struggle against the sexism, racism and homophobia. It was built in Rio de Janeiro State University (UERJ) by militants of the internationalist Communist Collective (CCI) and independent students, after a long campaign against racism at the University. We reproduce here its founding manifesto, because it contains a Communist program to combat special oppression.


The Manifesto of the Luiza Mahim Collective


Hail the revolutionary struggle against sexism, racism and homophobia!
Worldwide, women, blacks, indigenous peoples and homosexuals make up the most oppressed of all workers. Mass unemployment, hunger, wars, ecological disasters (such as Hurricane Katrina [1] and the flooding in the baixada fluminense[2]) and other ills of capitalism attack mostly us. Capitalism needs to stimulate all kinds of prejudices and rivalries among the workers, because the disunity plays against each other. Sexism, racism, homophobia, anti-Semitism, xenophobia etc. is exploited mainly in the workplace, for example, "ignoring" the value of housework and putting blacks primarily in poorly paid outsourced jobs, but also in all other social relationships
In Brazil, about half of the population comprises black people, and they receive approximately 40% less pay than white people. Women do not have guaranteed their basic rights, such as the public kindergartens, and suffer from the neoliberalism of the Lula Government, which even wants to do away with retirement. Homosexuals (gays, lesbians, bisexuals and transgendered) have their sexuality commodified, when they are "lucky” enough to escape violence, pure and simple.
This situation has been aggravated in the current historic stage of the crisis, marked by the counter-revolution which ended with the fall of the Soviet Union. The great fights beginning in the 1960s (May 68 in France, Prague Spring, the Viet Nam Liberation etc) boosted the struggles of women, blacks and homosexuals. This led to the formation of groups like the Black Panthers and Gay Liberation Front. However the defeats of 1989-91 saw the re-emergence of everything from neo-Nazism, to fundamentalism and other such ideologies. In addition most organizations of oppressed sectors began to adapt to the system, becoming Non Government Organizations (NGOs) or became sold out by Governments.
Most of the left have never engaged with or have abandoned the discussion about these specific forms of capitalist oppression. Often these organisations said that organize these sectors was "dividing the class", or they just participated in "celebration days" as the March 8, the June 28 or November 20. For us, the result is the institutionalization of the left, its activity revolves around the parliamentary elections and trade unions, and their adaptation to the conscience of well paid layers of the working class. It is impossible to build a revolutionary left without dealing with these issues inside the class struggles.
Therefore, we built the Luiza Mahim Collective. Luiza Mahim was a black woman, leader of the Malê Revolt, a major slave revolt in Salvador, 1835.[3] Her example shows that the struggle of women, blacks and homosexuals can only be successful if it is revolutionary. We are an independent collective, with a revolutionary socialist program, with the goal to combat sexism, racism and homophobia. Anyone who agrees with our program may participate, and join this fight.
Program:
Against NGOs! NGOs are financed by the State and/or by companies, so do not have the independence to fight them.They substitute public services and promote outsourcing. Trade unions and social movements must organize the struggles of women, blacks and homosexuals
No confidence in the racist police! Against women's police units, which the State uses to criminalise workers by playing the machismo card! For the formation of self-defence in social movements against racism, violence against women and homophobia! We must remember the examples of the Black Panthers and the Stonewall uprising.
Opem admissions![4] This demand by itself makes the fight for afirmative actions at university unnecessary. The fight for quotas has been used by the Government and by opportunistic sectors of the movement as a way of avoiding abolishing the vestibular. We cannot leave this watchword for the holidays! Where the quotas already exist, we must defend them in the face of racist attacks, which deny that there is racism in Brazil.
Against outsourcing! Labor rights for all! The outsourcing is sexist and racist, because women and Blacks are the majority of workers without rights.
To eliminate unemployment: reduction of the workday for 6 hours without reduction in wages! This will allow blacks and homosexuals to get decent work, and do not remain on the sidelines as currently.
Evening courses in all universities, for working class students! Universities under control by the trade unions, feminist, black students, etc.
Against the pink market! No support for GLS companies, who profit from the discrimination.
Public Kindergartens! That the State organize the housework (washing, cooking, ironing etc), to end the dual journey of woman!
That the health and education services are geared to the sexual and racial diversity, and controlled by the workers!
Labor and Social Security Rights for the maids and housekeepers! Labor and pension rights for homosexual couples!
Free and public Contraception! That the State guarantees the abortion for poor women!
Most of these slogans are anti-capitalist. I.e., can be performed only in a socialist society. Therefore, we must be against all Governments of the bourgeoisie or in collaboration with it! The sexism, racism and homophobia can only end up in a society under a direct Government of the workers ' assemblies!

Endnotes
[1] Hurricane Katrina of the 2005 Atlantic hurricane season was a powerful Atlantic hurricane. It is the costliest natural disaster, as well as one of the five deadliest hurricanes, in the history of the United States. Among recorded Atlantic hurricanes, it was the sixth strongest overall. At least 1,836 people died in the actual hurricane and in the subsequent floods, making it the deadliest U.S. hurricane since the 1928 Okeechobee hurricane; total property damage was estimated at $81 billion (2005 USD), nearly triple the damage wrought by Hurricane Andrew in 1992
[2] February 1988 - 277 people died in flooding and landslides in the Baixada Fluminense region and in the city of Petropolis in the Sierras. In the rest of the month hundreds more died in new landslides and flooding. A hospital collapsed, killing 18 people. Damages topped 1 billion dollars.
[3] The Malê Revolt (also known as The Great Revolt) is perhaps the most significant slave rebellion in Brazil. On a Sunday during Ramadan in January 1835, in the city of Salvador da Bahia, a small group of black slaves and freedmen, inspired by Muslim teachers, rose up against the government.
[4] In order to enter university in Brazil, candidates must undergo a public open examination called "Vestibular", which usually lasts 1–2 days and takes place once a year. Vestibular consists of a long examination on high school subjects, including Maths, Physics, Chemistry, Biology, History, Geography, Literature, Portuguese language, and a foreign language, usually English. Since public universities are totally free of charge, competition at the Vestibular is usually fierce for a place in a public university. Recently some universities in Brazil started accepting students according to performance during school and a new entrance examination was designed by the Education Ministry and adopted by most public universities, ENEM (which stands for Exame Nacional do Ensino Médio). Both ENEM and "Vestibular" will co-exist in the future.

Leia mais!

sexta-feira, 23 de dezembro de 2011

Os Comunistas e a Questão Sexual, livreto do Coletivo Lênin!

Sobre a necessidade de uma política sexual proletária, para denunciar o uso da repressão e do controle da sexualidade pelas classes dominantes, que querem transformar os corpos e consciências dos trabalhadores em instrumentos que só servem para trabalhar. Só uma sociedade que não seja orientada para o lucro, e sim para a satisfação das necessidades dos produtores - o socialismo - pode permitir a liberação sexual!

Liberação sexual através da revolução socialista!
















Online: http://www.4shared.com/office/U9SFnEIx/Os_Comunistas_e_a_Questo_Sexua.html
Leia mais!

segunda-feira, 19 de dezembro de 2011

Morre Kim Jong-Il, burocrata stalinista que esmagava o povo da Coreia do Norte!

Recebemos a notícia da morte do ditador que comandava o último regime stalinista "à moda antiga" (ou seja, sem abertura ao capitalismo) do mundo. Muitas organizações stalinistas e que capitulam ao stalinismo vão lamentar e lembrar das conquistas sociais do povo nortecoreano.

Como estamos do lado do povo nortecoreano, e não da sua buocracia antioperária, nossa obrigação é falar a verdade. A burguesia perdeu o poder político e econômico na Coreia do Norte por meios militares, e não através de uma verdadeira revolução feita pelos trabalhadores e camponeses. Foi uma divisão do Exército Vermelho, da URSS, dirigida por Kim Il-Sung, que nem mesmo era membro do PC coreano, que tomou o país das mãos do imperialismo japonês. Isso levou a várias contradições sociais.

Por isso, ao mesmo tempo em que a expropriação da burguesia permite que todo o povo tenha educação e saúde gratuitas, a pobreza do país torna a fome e a desnutrição infantil crônicas. Ao mesmo tempo, não existe nenhuma liberdade sindical para os trabalhadores, nem liberdade de imprensa. O gasto de uma soma enorme de recursos do pais com a economia armamentista também é um fator importante para a piora das condições de vida para o povo.

O imperialismo americano e japonês se aproveitam disso para fazer uma série de chantagens contra o país, incluindo operações militares japoneses para ameaçar. Os EUA usam o envio de ajuda alimentar como pretexto para exigir que o país faça concessões. Desde o governo de Bush Jr., o Coreia do Norte é considerada parte do "eixo do mal" (com Cuba e Irã), e sofre pressão militar e diplomática redobrada. O regime stalinista responde a isso com uma série de provocações baratas sobre ataques nucleares, em vez de tentarem ganhar os trabalhadores dos países imperialistas para a luta contra as suas burguesias.

Tudo isso é o resultado da ideologia do Juche (autossuficiência), uma versão extrema de tese stalinista do socialismo num só país. Se não era possível construir o socialismo na URSS, um país continental, por causa das forças produtivas atrasadas do país, na Coreia do Norte isso seria mais absurdo ainda, muito mais agora que o capitalismo foi restaurado na ex-URSS, no Leste Europeu e China.  


A burocracia do Partido do Trabalho da Coreia não é capaz de se contrapor seriamente ao imperialismo. Pior ainda, o isolamento do país aumenta a possibilidade dele sucumbir e ser absorvido pela Coreia do Sul, capitalista. Aliás, é o medo de perderem os seus privilégios numa unificação que impediu até agora os burocratas do PTC de restaurarem o capitalismo no país. O maior serviço que a burocracia presta ao capitalismo é quando ela passa para os trabalhadores a ideia de que o socialismo é uma ditadura insuportável como a que existe na Coreia do Norte!

A tarefa dos comunistas e dos trabalhadores nortecoreanos é dupla: devem lutar contra toda a tentativa de restauração do capitalismo e intervenção imperialista, inclusive formando frentes únicas com o governo nessas situações. Ao mesmo tempo, a solução da crise social do país só pode acontecer através de uma revolução contra a burocracia, que estabeleça o poder direto dos trabalhadores através de sovietes e comissões de empresa.

Para isso, é preciso criar um partido revolucionário dos trabalhadores na Coreia do Norte, parte de uma nova Internacional comunista revolucionária, que combine a luta pelo restabelecimento das organizações de classe com a luta pela revolução.



Fonte: RTP


Morreu o líder da Coreia do Norte Kim Jong-il

publicado 10:05 19 dezembro '11
Morreu o líder da Coreia do Norte Kim Jong-il
Uma rara aparição pública de Kim Jong-il, em outubro de 2005 STF/EPA

A televisão pública da Coreia do Norte anunciou esta noite a morte do líder do país, Kim Jong-il. Numa emissão especial, o canal de Pyongyang revelou que Kim Jong-il, de 69 anos, faleceu este sábado quando eram 8h30 da manhã no país asiático, 23h30 em Lisboa, e que foi vítima de ataque cardíaco, resultado de “uma grande fatiga mental e física” durante uma viagem de comboio. O funeral do líder norte-coreano terá lugar no dia 28 de dezembro.

 

Leia mais!

domingo, 18 de dezembro de 2011

Depois do III Congresso do PSOL, o que fazer?

Os militantes do PSOL devem estar muito putos, sem saber o que vai acontecer com o seu partido.

É lógico que estamos falando dos militantes que querem que o PSOL seja um partido para lutar pelo socialismo, e não dos burocratas que vivem à base de gabinetes, que estão comemorando agora o resultado do congresso.

Mas, porque os militantes do PSOL com consciência revolucionária estão tão revoltados?


O balanço do III Congresso

Foram inscritas quatro chapas para o Congresso, que terminaram com as seguintes votações:

Chapa 1 (MES/CST)                             77 votos
Chapa 2 (MTL - racha do MES)            67 votos
Chapa 3 (Enlace/CSOL/LSR)                46 votos
Chapa 4 (APS/TLS/racha do Enlace)   139 votos

Sobre as correntes, podemos dizer o seguinte:

- o MES (Movimento de Esquerda Socialista) forma com a CST (Corrente Socialista dos Trabalhadores) o "centrão" do PSOL. Eles fazem várias críticas à direção oportunista do partido, mas sempre recuam para manterem as boas relações com eles. O MES mesmo fazia parte da direita do PSOL, e esteve no congresso passado com o MTL defendendo a candidatura da Marina Silva. A CST, por conta das suas capitulações, tem perdido uma leva de militantes para a LSR, como qualquer um militante do PSOL sabe.

- o MTL (Movimento Terra e Liberdade) e o racha do MES (que mantém a mesma política do congresso anterior, de emblocar com o MTL) são a corrente reformista mais à direita. São eles que defendem abertamente que Marina Silva (ex-PV, que teve como vice o dono da Natura e serviu de auxiliar da candidatura Serra nas eleições passadas) seja a próxima candidata do PSOL. Marina Silva saiu do PV não por diferenças políticas, e sim porque quer um partido que esteja sob o seu controle.

- o bloco de esquerda CSOL (Corrente Socialismo e Liberdade) - LSR (Liberdade, Socialismo e Revolução) e Revolutas tem sido quem mais luta contra a direitização do PSOL. Dentro desse bloco, existem muitos militantes honestos e com consciência da necessidade da revolução. Mais à frente, vamos discutir com mais calma a política deles. A novidade foi que o Enlace saiu de cima do muro, onde estava desde 2005, e se alinhou com a esquerda do PSOL, diante da descaraterização que eles querem impor ao partido.

- a APS (Ação Popular Socialista) e a TLS (Trabalhadores na Luta Socialista), junto com o racha do Enlace, formado por sindicalistas do antigo MUS (Movimento de Unidade Socialista), são a corrente reformista dominante no PSOL, e reivindicam abertamente o "programa democrático e popular" do V Encontro do PT (sobre o programa democrático e popular, leia o nosso artigo:

http://coletivolenin.blogspot.com/2009/04/polemica-o-petismo-e-o-governo.html

).

Eles conseguiram eleger Ivan Valente, da APS, como o presidente do partido.

Foi justamente a Chapa 4 que conseguiu a formulação que fechou a maior polêmica do Congresso, sobre a política de alianças.

Cada vez mais, vários setores políticos burgueses estão entrando no PSOL, por falta de espaço nos partidos tradicionais. Foi o caso de Jorge Periquito (PRTB), que tentou filiar o seu grupo em Minas Gerais. Ele depois foi expulso pelo PSOL, mas continua usando a legenda de forma fraudulenta.

Foi o caso do Senador Randolfe Rodrigues, da APS do Amapá, que está filiando em massa no seu estado, no "melhor" estilo Articulação", e, usando esses métodos, ganhou o Congresso estadual, defendendo alianças nas eleições de 2012 com PV, PDT, PCdoB, PTB e PSDC!

Foi o caso do Rio de Janeiro, onde foi votado no Congresso estadual que o PSOL vai se aliar com o Gabeira (PV), que apoia o grupo de César Maia, o responsável pelo desvio de dinheiro faraônico da Cidade da Música. 

As chapas 1 e 3 eram contra as alianças por fora da Frente de Esquerda (PSTU e PCB), e a chapa 2 era a favor do "liberou geral". A solução foi a proposta da chapa 4, onde as alianças devem ser autorizadas pelo Diretório Nacional - onde a APS e o MTL têm maioria!

Portanto, o III Congresso foi mais um passo adiante na direitização do PSOL, que se transformou desde 2004 num "PT fora do PT".
 
Além disso, a questão mais importante para que está no movimento, a unidade do PSOL no movimento sindical, foi jogada para segundo plano e adiada para uma Conferência Sindical em 2012. Até o momento, os militantes do PSOL estão divididos entre a Intersindical, a Unidos Pra Lutar e a CSP-CONLUTAS.


E agora?


Como já falamos, existem muitos militantes de base que não querem ver o PSOL se transformar num mini-PT. A maioria desses militantes têm feito movimentos dentro do partido, como o "PSOL sem Gabeira", e stão lutando nos congressos contra a direção. Mas a luta não pode ser vitoriosa sem a clareza de qual estratégia seguir. Por isso, vamos fazer algumas considerações sobre a luta dentro do PSOL.

O CCI, que foi a organização que veio antes do Coletivo Lênin, foi formado no final de 2006, por militantes que romperam com o PSTU por causa das posições do PSTU contrárias à defesa da URSS e de Cuba, por defenderem uma intervenção real do partido na luta contra as opressões específicas e por serem contra a ruptura com a CUT.

Naquele momento, o PSOL estava com a candidatura da Heloísa Helena, totalmente despolitizada, contra a legalização do aborto, as ocupações do MST e copiando os agumentos do PSDB contra Lula. Por isso, avaliamos que não existiam  condições para fazer entrismo no PSOL. Para nós, que somos trotskistas, o entrismo não é uma questão de princípio, e sim uma tática que podemos adotar ou não, dependendo da situação.

Por quê?

Em alguns casos as organizações revolucionárias são tão pequenas que precisam entrar em partidos maiores, mesmo que sejam reformistas, para ganhar os militantes honestos que estão nesses partidos com a intenção de lutar pelo socialismo.

Mas isso não tem como acontecer em todas as situações. Precisa haver um clima político de radicalização que empurre a base para posições que ultrapassam o programa reformista do partido em que está.  Por exemplo, vejam como o revolucionário norte-americano James Cannon definiu as condições que levaram o grupo trotskista da época, o WP, a entrar no Partido Socialista americano:

Uma nova geração de trabalhadores e elementos jovens, sem manchas pela responsabilidade das traições do passado, haviam sido sacudidos e despertados pelo tremendo impacto dos eventos mundiais, especialmente a derrota do movimento operário alemão com a vinda do fascismo ao poder. Um novo vento soprava nesta velha e decrépita organização da Social-Democracia. Estava se formando alí uma ala esquerda, manifestando o impulso de um grande número de pessoas para encontrar o programa revolucionário. Pensamos que isto não podia ser desconhecido porque era um fato, um elemento da realidade política norte-americana. (...) Pelo contrário, tínhamos a obrigação de ajudar este incipiente movimento no Partido Socialista a encontrar o caminho correto.

(A História do Trotskismo Norte-Americano)

Existem duas atitudes diferentes frente ao PSOL, representadas pela CSOL e pela LSR. A CSOL considera que o PSOL é um partido estratégico, ou seja, é o PSOL que pode dirigir a revolução brasileira.

Como nós explicamos em A Crise do PSOL e da Frente de Esquerda,

http://coletivolenin.blogspot.com/2010/04/crise-do-psol-e-da-frente-de-esquerda.html

pelo fato do PSOL ser formado por setores reformistas e por militantes e pequenos grupos revolucionários, num momento de lutas decisivas, ele vai acabar rachando. Por isso, é ilusão imaginar que o PSOL como um todo pode cumprir um papel revolucionário, ou que os oportunistas como o Martiniano Cavalcanti, Randolfe Rodrigues, Milton Temer e outros vão aceitar um programa revolucionário votado em congresso.

O ponto forte da LSR é justamente fazer essa crítica. A LSR diz para a sua base que está fazendo entrismo no PSOL, para poder construir um partido revolucionário. Com a sua atitude de luta, a LSR tem ganho muitos militantes que querem lutar pela revolução, porque outras correntes têm recuado.

Mas temos que ser claros: a política da direção da LSR não é orientada para uma ruptura entre revolucionários e reformistas. A LSR ficou no PT até 2003, quando o PT já estava governando para os empresários em boa parte do Brasil.

A corrente internacional de que a LSR faz parte, o Comitê por uma Internacional dos Trabalhadores (CIT) foi formada pelo grupo que é a sua atual seção inglesa. Este grupo, que era conhecido por Tendência Militante, e hoje se chama Partido Socialista, ficou dentro do Partido Trabalhista inglês desde a década de 1950 até 1995 - mais de quarenta anos de entrismo!

A explicação é simples. Ted Grant, trotskista sulafricano que formou o Militant e é até hoje a maior referência teórica e política da CIT, defendia que os trabalhadores necessariamente vão passar por uma etapa de radicalização sob hegemonia da socialdemocracia antes de chegarem a posições revolucionárias. Como ele disse em Problemas do Entrismo:

Sob condições de crise e luta, haverá uma renovação de todo o movimento trabalhista. (...) Sob tais condições, uma forte corrente reformista de esquerda ou até mesmo centrista, com base de massas, seria formada no Partido Trabalhista (...) Se houver uma ala marxista, ou mesmo uma forte fração trabalhando neste meio, poderão se estabelecer as bases para o desenvolvimento de um partido revolucionário. Uma oportunidade semelhante vai reaparecer em novas circunstâncias. Esta é a justificativa histórica para a política de entrismo.


Ou seja, até que aconteça um ascenso, o correto seria ficar junto com a socialdemocracia, esperando as suas bases avançarem pela esquerda. Por essa concepção, a direção da LSR não romperia com o PSOL até que acontecesse um ascenso de massas, ou seja, até que fosse tarde demais!
 
Assim, toda a política da LSR está voltada a formar uma frente dos vários grupos de esquerda para lutar dentro do PSOL, mas sem uma perspectiva para fora do partido, onde também existem vários militantes que querem construir um partido revolucionário.

Justamente por ter uma perspectiva de longo prazo dentro do PSOL, a LSR não levanta palavras de ordem transitórias no movimento, que iriam levar a uma ruptura com a burocracia sindical do PSOL.

Por isso, também, a LSR acaba recuando sempre que a sua política coloque em risco a unidade do PSOL, como fez ao aceitar Plínio como candidato. Toda a defesa que a LSR e a esquerda do PSOL fazem da Frente de Esquerda está ligada a essa política de unidade com os reformistas, que acaba criando essa frente com programa rebaixado. Por isso, somos contra qualquer bloco eleitoral ou no movimento com um programa que tente "contemplar" reformistas e revolucionários.

Nós não somos sectários. Sabemos que existem vários militantes que querem lutar pela revolção no PSOL, muitos na LSR. Propomos aos companheiros, como um passo para construir um partido revolucionário, como alternativa ao bloco com os reformistas dentro do partido e à Frente de Esquerda, que levantem um programa transitório no movimento, com o qual possa haver uma unidade entre os revolucionários.


 
- formação de comitês de moradores na luta contra as remoções racistas provocadas pela Copa e pelas Olimpíadas!

- todo apoio à ocupação de terras e prédios públicos!

- criar comissões de empresas, unindo trabalhadores efetivos e terceirizados, que defenda a diminuição da carga horária sem a redução de salários até o fim do desemprego.

- frente eleitoral sem setores reformistas (como a APS e o MTL), que agite um programa transitório e defenda um governo direto dos trabalhadores!


- criar um partido de tendências revolucionárias, com centralismo democrático!
Leia mais!

terça-feira, 13 de dezembro de 2011

Carta de Cesare Battisti para o VI Congresso da FIST


Caros companheiros,
 
Hoje eu deveria estar aqui junto com todos vocês. Esta era a minha intenção, assim como também foi justamente anunciado no cartaz do VI Congresso da FIST. Infelizmente, há dois dias atrás, os meus advogados interviram e, frustrando toda expectativa, me aconselharam firmemente não me expor participando deste evento que “teria uma clara conotação política”. Até o referido cartaz já foi parar na polícia federal.
       
É importante saber que a minha libertação, tanto suada e fruto de uma luta que mostrou como ainda a solidariedade dos movimentos sociais, tais como a própria FIST, pôde fazer recuar os mais poderosos adversários, está infelizmente sujeita a uma serie de condições impostas pela lei, entre as quais a de não poder envolver-me de jeito nenhum na política nacional nem participar de manifestações políticas sob pena de deportação.
        
Caros companheiros, era a minha intenção juntar-me a vocês para explicar pessoalmente sobre estes mesmos limites que me hão sido impostos e, principalmente, aproveitar deste encontro para agradecer todos vocês, cujo esforço e coragem hão aberto as portas da minha prisão, que o Governo italiano queria manter trancadas para sempre. Foi a vitória da solidariedade, a prova que só lutando as coisas podem acontecer.
          
Peço desculpas por minha ausência forçada e é claro que eu não tenho a pretensão que este curto recado possa de alguma maneira me representar.
        
Mais uma vez, os agradeço infinitamente, com a certeza que este Congresso seja um passo importante na consolidação da FIST.
        
Até pronto.
Cesare Battisti
 
Leia mais!

sábado, 10 de dezembro de 2011

Tese do Coletivo Lênin para o VI Congresso da FIST

Atenção: a nossa tese aproveita alguns trechos da tese de 2009, que mantém a sua atualidade. Se algum companheiro quiser a tese ilustrada em pdf, é só mandar um email pedindo.

  
Conjuntura nacional e internacional:

Desde o fim da União Soviética (URSS) o movimento de trabalhadores tem vivido um refluxo de organização e de luta, devido à perda de uma perspectiva socialista como alternativa ao capitalismo diferente do que foi a URSS, e fatalmente agravado devido a falta de partidos operários revolucionários capazes de darem rumo a uma reorganização da classe trabalhadora. Diante da crise econômica que vem se arrastando em vários países do mundo, principalmente na Europa e EUA, a classe trabalhadora voltou a se reorganizar e lutar contra cortes de salários, direitos de aposentadorias e contra o fim de direitos básicos que foram conquistados pelos trabalhadores no século passado.

Com a crise, cresceu o número de desempregados e consequentemente aumentou o número de moradores sem-teto em vários países como EUA, Espanha, França, Portugal e Grécia, entre outros. Enquanto isso, no Brasil cresceram os “investimentos” bilionários na Copa do Mundo e nas Olimpíadas. Enquanto os governos Dilma, Cabral e Eduardo Paes afirmam que esses eventos serão uma “grande oportunidade” para o Brasil conseguir passar pela crise econômica internacional, na verdade vemos que é tudo uma farsa: eles querem utilizar os mega-eventos para super-explorar os trabalhadores e captar dinheiro suficiente para banqueiros e mega-empresários se safarem da crise que eles mesmos fizeram, enquanto os trabalhadores perdem suas moradias e são ainda mais oprimidos e humilhados pela polícia e exércitos em seus locais de moradia como em várias comunidades do Rio com as UPPs, ou seja, os trabalhadores, principalmente os moradores sem-teto, pagarão a conta dos mega-eventos e da crise econômica para os parasitas dos bancos, empreiteiras e outras megas-empresas.

Desde 2009 a FIST, com já com a participação do Coletivo Lenin, chamávamos a todos os movimentos sociais para se unirem numa frente única com o objetivo de combater e resistir ás políticas de remoções e despejos dos moradores das comunidades e ocupações do Rio. Infelizmente a maioria dos movimentos não deu ouvidos, como alguns que compuseram o Reunindo Retalhos, e ocupações da ex-FLP. Mesmo assim, enquanto muitos moradores de comunidades e ocupações foram despejados, a FIST conseguiu segurar todas as ocupações que defendeu, algumas bem mobilizadas pra resistir, mas foi devido principalmente à competência e experiência jurídica do companheiro André de Paula que atuou como advogado. Assim hoje a FIST mantém 23 ocupações no Rio e em Niterói, e tem atuado junto em frentes com outros movimentos na luta contras as remoções, como MCP, alguns militantes do AIR e do Coletivo Guerreiros Urbanos.



Reorganizar a FIST pra lutar contra as remoções e despejos:

Como vimos a FIST sempre procurou lutar junto com outros movimentos contrários às políticas de remoções, porém poucos movimentos deram ouvidos às propostas de unificação, e alguns movimentos e ocupações não existem. Nos próximos 2 anos vamos ter um período de agravamento da crise global no capitalismo, que vai chegar no Brasil também aumentando os desempregados e sem-tetos, enquanto os empresários e governos vão explorar ainda mais os trabalhadores assalariados nos grandes projetos de construção dos mega-eventos. Por isso será necessário uma maior integração entre os movimentos de trabalhadores sem-teto e de desempregados com o movimento de trabalhadores assalariados, não se limitando apenas a atuar nas campanhas do Sindispetro-RJ, que é o máximo que a FIST faz hoje. Porém, a FIST cresceu muito pelo fato de ter conseguido manter todas as ocupações que defendeu, mesmo assim temos graves problemas de organização e deliberação de políticas e tarefas, que se não forem solucionados poderão comprometer a luta contra as remoções nos próximos 2 anos de preparação para a Copa do Mundo e Olimpíadas. 
 
O maior dos problemas é o fato de não haver uma coordenação geral da FIST composta por representantes de cada ocupação. Isso acontece porque muitas ocupações da FIST não são bem organizadas e acabam ficando na FIST mais pela dependência das questões jurídicas acompanhadas pelo companheiro André de Paula. E como não há uma maior participação dos moradores de algumas ocupações, nas reuniões centrais da FIST fica sendo composta na maioria por militantes apoiadores e não por moradores, além de muitas tarefas ficarem centralizadas por esses militantes, principalmente pelo companheiro André. Hoje a maiorias das reuniões de ocupações e das reuniões gerais focam apenas no assistencialismo jurídico da FIST, nas tarefas locais e de movimento, principalmente da campanha do petróleo do Sindspetro-RJ, enquanto a qualidade política de debates e formação dos moradores fica em segundo plano, quando na verdade deveria ser a melhor forma de trabalhar a maior participação dos moradores das ocupações. Embora tenhamos feito tentativas de formação política, o ritmo tarefeiro da FIST e o grande número de ocupações para serem acompanhadas pelos militantes que trabalham e estudam impede que haja uma maior freqüência dessas atividades de formação política.

Propomos então algumas formar de reorganizar a FIST para tentarmos superar esses problemas organizativos:

Propor um calendário de atividades de formação política, com filmes e debates, para ampliar a formação, organização e participação mos moradores nas decisões políticas da FIST, e diminuir a dependência do assistencialismo jurídica e de tarefas ligadas a campanha do petróleo;

Criar uma Coordenação com um representante de cada ocupação. Esse representante deve ter obrigação de discutir os assuntos da reunião da coordenação na sua própria ocupação, para levar a posição que for decidida pelos ocupantes. A Coordenação tem que ser a responsável pela FIST entre os congres sos;

Criar uma Secretaria aberta (com a participação de sem-tetos e apoiadores que não sejam sem-tetos), para o apoio jurídico, ajudar na organização das ocupações, fazer o jornal da FIST, planejar atividades políticas e culturais e cuidar da parte financeira;

Criar reuniões zonais juntando moradores de ocupações próximas para fazerem reuniões em conjunto com os militantes da FIST, como forma de redistribuir melhor as ocupações para serem acompanhadas pelos militantes;

Manter os Congressos anuais, para definir os rumos da FIST durante o ano.


Contra o Machismo e o Racismo!

Uma das coisas que temos que discutir dentro do movimento, e que quase nunca ninguém lembra, é o problema do machismo e do racismo. O machismo e o racismo acabam dificultando que as mulheres e os negros participem das atividades do movimento. O pior de tudo é que esses preconceitos existem dentro das ocupações, entre as pessoas que deveriam ser companheiros de luta. Isso não é uma coisa de pouca importância: estamos falando de comportamentos que dividem os trabalhadores e jogam uns contra os outros
 
Toda a história do Brasil é baseada na escravidão. Por isso, os negros têm os piores postos de trabalho, recebem menos que os brancos para fazer o mesmo trabalho, sofrem discriminação e a cultura negra é perseguida. Em alguns lugares do Rio, centros de religiões afrobrasileiras são até mesmo ataca dos por fanáticos, gerando uma grande opressão religiosa. Nós dizemos claramente: é impossível existir revolução no Brasil sem que ela seja feita pelos negros, que são quase metade da população! 
 
Já as mulheres são exploradas duplamente no capitalismo. Todos os serviços de casa não sãoconsiderados trabalho e não são pagos. Elas têm quase todas as responsabilidades na criação das crianças. Muitas vezes, não podem participar dos movimentos porque têm que tomar conta de casa. Para manter essa estrutura da família, as escolas, os meios de comunicação e as igrejas inventam uma série de argu mentos para dizer que a mulher deve se sujeitar aos homens e que não deve ter uma vida sexual ativa. Ao mesmo tempo, esse mesmo discurso antissexo é usado contra os homossexuais, dizendo que é errado fazer sexo com uma pessoa do mesmo sexo, porque isso é “contra a natureza”, e infelizmente esse é o discurso do companheiro André de Paula dentro da FIST, e temos combatidos as suas posições homofóbicas em todos os espaços políticos, pois já é um absurdo ter que combater a direita cristã evangélica ou católica que usa esse discurso, e é um absurdo maior ainda um companheiro de movimento reproduzir o mesmo discurso homofóbico da igreja!

Como não podem resolver esses problemas sem mudar o sistema, os governos apresentam peque nos projetos, como as cotas nas universidades e a extensão da licença-maternidade. Eles não têm como resolver nada. Se quisermos uma sociedade realmente diferente da que vivemos, é preciso que a FIST e os outros movimentos lutem dia e noite contra o machismo e o racismo, e que coloquem essas pessoas na linha de frente de todas as organizações.


Segurança

Como já falamos, os governos federal, estadual e municipal estão realizando uma série de remoções de moradores de ocupações, principalmente no centro, para dar de presente os espaços para os especuladores e investidores imobiliários que querem acumular mais fortunas com os mega-eventos da Copa do Mundo e das Olimpíadas, para não falar das ocupações que caíram nas mãos do tráfico e da milícia. Isso exige várias medidas de segurança. Aqui, vamos falar de três:

A parte jurídica: os companheiros André e Louro já têm feito o melhor possível para proteger judicialmente quem está sofrendo ameaças, além de terem uma participação de destaque no caso Cesare Battisti. Devemos manter esse ótimo trabalho;

Devemos criar uma rede de solidariedade do movimento popular, incluindo o MST, para fazer campanhas de denúncia e proteção coletiva de militantes ameaçados;

Não podemos confiar na polícia racista! O movimento tem que criar sua própria segurança. Temos que montar Comitês de Segurança em cada ocupação. Esses comitês devem ser formados pelos próprios moradores, e devem funcionar por turnos, formando uma escala de horário. O objetivo deles é im pedir a entrada de estranhos nas ocupações, impedir a violência (inclusive contra a mulher), impedir o uso e venda de drogas e também os roubos dentro das ocupações. Além disso, os comitês de segurança podem impedir alguns ataques e ameaças isolados. Esses comitês devem estar sempre submetidos às assembleias de moradores e suas decisões.

Leia mais!

Mais lidas nesse mês:

Mais lidas do blog:

SEGUIDORES