QUEM SOMOS NÓS

Minha foto
Somos uma organização marxista revolucionária. Procuramos intervir nas lutas de classes com um programa anticapitalista, com o objetivo de criar o Partido Revolucionário dos Trabalhadores, a seção brasileira de uma nova Internacional Revolucionária. Só com um partido revolucionário, composto em sua maioria por mulheres e negros, é possível lutar pelo governo direto dos trabalhadores, como forma de abrir caminho até o socialismo.

terça-feira, 9 de junho de 2015

O massacre de Tiananmen foi um mito? (LC)

TIANANMEN - CHINA
O massacre de Tiananmen foi um mito?

Recentemente o jornal Workers World dos EUA publicou um texto polêmico “O massacre de Tiananmen foi um mito”, sobre as manifestações ocorridas na chamada Praça da Paz Celestial, em 1989. O camarada Gerry Dowinig, membro do Socialist Fight, seção britânica do Comitê de Ligação pela IV Internacional, ao qual a nossa Frente Comunista dos Trabalhadores é ligada respondeu ao WW com o texto abaixo:


O ingresso dos operários chineses nos protestos
foi o que assustou a burocracia
Deng Xiaoping foi eleito por duas vezes o homem do ano pela revista Time, em 1978 e depois em 1985.
O ingresso dos operários chineses nos protestos
foi o que assustou a burocracia

Em 1967 a juventude da Guarda Vermelha de Mao denunciou Liu Shaoxi como "o defensor número 1 da restauração capitalista na China" e Deng como o "número dois da restauração capitalista". Ele finalmente triunfou após o massacre da Praça Tiananmen (ou das execuções em massa realizadas posteriormente) que liberou as mãos da burocracia da pressão da classe trabalhadora. Jiang Zemin capitulou com ele no verão de 1992.

A história do Workers World do artigo “O massacre deTiananmen foi um mito” é provável que seja verdade, embora o WW seja uma publicação de um partido pró-stalinista e que seria necessário verificar o que eles chamam de "tiroteios esporádicos". O alvo da burocracia não era os estudantes, a quem Deng apoiou no início, esperando uma restauração rápida do capitalismo, como veio a acontecer sob Yeltsin na Rússia poucos anos depois. No caso das voltas cruciais no caso foram:

1. As execuções em massa de líderes de trabalhadores, principalmente sindicalistas, um problema ainda maior ocultado pelos meios de comunicação de massa capitalista ocidentais e pelos pró-stalinistas, como WW.

2. A purga dentro da própria burocracia contra cerca de 30.000 de seus membros, dos quais, a maioria não estava entre os "restauradores capitalistas", mas entre velhos defensores estalinistas das relações de propriedade nacionalizadas que constituiam a fonte dos seus privilégios (remanescentes da base social de Mao e da “Gangue dos Quatro”) e não queriam, portanto, a restauração capitalista. Foi só quando a classe trabalhadora passou a apoiar os estudantes e, em seguida, começou a diferenciar-se deles politicamente que a revolução política de repente surgiu como uma possibilidade real, Deng mudou de tom imediatamente e apoiou a repressão.

A lendária turnê pelo sul de Deng na Primavera de 1992 foi o último capítulo deste ciclo, como relatado em Wiki:

"Para reafirmar sua agenda econômica, na primavera de 1992, Deng fez sua famosa turnê no sul da China, visitar Guangzhou, Shenzhen, Zhuhai e passou o Ano Novo em Xangai, na realidade, usando suas viagens como um método de reafirmando sua política econômica após sua aposentadoria do cargo. Em sua turnê, Deng fez vários discursos e gerou grande apoio local para a sua plataforma reformista. Ele ressaltou a importância da construção econômica na China, e criticou aqueles que eram contra novas reformas econômicas e a abertura. Embora haja debate sobre se ele disse ou não, na verdade, Deng disse que "Pobreza não é socialismo. Ficar rico é glorioso". Este slogan desencadeou uma onda de empreendedorismo pessoal que continua a impulsionar a economia da até China hoje. Ele afirmou que os elementos 'esquerdistas' da sociedade chinesa eram muito mais perigosos que os 'direitistas'. Deng foi fundamental pela criação do distrito de Xangai conhecido como Área Nova de Pudong, revitalizando este distrito da cidade como um dos grandes pólos econômicos (centro financeiro e comercial) da China". "Sua turnê pelo sul foi inicialmente ignorada pela mídia nacional e por Pequim, que estavam, então, sob o controle dos rivais políticos de Deng. O Presidente Jiang Zemin mostrou pouco apoio. Desafiando seu controle de mídia, o jornal diário Liberation de Xangai publicou vários artigos de apoio às reformas de autoria de "Huangfu Ping", que rapidamente ganharam apoio entre as autoridades locais e população. A nova onda de Deng com sua retórica política deu lugar a uma nova tempestade política entre facções no Politburo. O presidente Jiang Zemin, eventualmente, ficou do lado de Deng, e a mídia nacional finalmente relatou a turnê sul por vários meses de Deng depois de ocorrida. Os observadores sugerem que a submissão de Jiang às políticas de Deng tinha solidificado sua posição como herdeiro de Deng. Nos bastidores, a turnê pelo sul de Deng auxiliou a ascensão de seus aliados reformistas ao ápice da nação "


O movimento de Tiananmen foi iniciado com a morte de Hu Yaobang,
ex-presidente do Partido Comunista Chinês, aliado de Deng e
considerado um herói para os liberais reformistas chineses
Em nosso ponto de vista, o movimento da Praça de Tiananmen desencadeou uma cadeia de eventos que permitiram ao PCC purgar o partido e o aparelho do Estado e neutralizar a classe trabalhadora. O desenvolvimento das relações de propriedade capitalistas foram priorizados conscientemente por toda a burocracia do Estado em 1992, quando Jiang capitulou perante Deng. A China, em seguida, ingressou e passou a cumprir as normas da OMC e deixou de ser um Estado Operário de qualquer forma.

Em nome do socialismo os dirigentes da classe trabalhadora foram massacrados sem sombra de dúvida durante ou depois do movimento da Praça da Paz Celestial, ao mesmo tempo em que os estudantes tiveram um tratamento muito suave, penas leves e nenhuma execução, porque eles eram basicamente capitalistas restauracionistas.

As execuções dos líderes dos trabalhadores foi diplomaticamente relatado como "uma abundância de mates em outro lugar" como tacitamente admitido aqui:
O movimento de Tiananmen foi iniciado com a morte de Hu Yaobang,
ex-presidente do Partido Comunista Chinês, aliado de Deng e
considerado um herói para os liberais reformistas chineses

"No final deste longo artigo, que pretendia dar uma visão interna de um debate dentro da liderança do Partido Comunista Chinês, Kristof afirmou categoricamente: 'Baseado em minhas observações nas ruas, nem a conta oficial nem muitas das versões estrangeiras são muito corretas. Não há massacre na Praça de Tiananmen, por exemplo, embora haja uma abundância de matos em outro lugar.'"

Quem foi morto, onde, por quem e por quê? Qual é o objetivo de um artigo despreocupado acerca da "abundância de mortos em outro lugar", exceto para mostrar que os stalinistas não são tão maus como pintados. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Mais lidas nesse mês:

Mais lidas do blog:

SEGUIDORES