QUEM SOMOS NÓS

Minha foto
Somos uma organização marxista revolucionária. Procuramos intervir nas lutas de classes com um programa anticapitalista, com o objetivo de criar o Partido Revolucionário dos Trabalhadores, a seção brasileira de uma nova Internacional Revolucionária. Só com um partido revolucionário, composto em sua maioria por mulheres e negros, é possível lutar pelo governo direto dos trabalhadores, como forma de abrir caminho até o socialismo.

quinta-feira, 17 de maio de 2012

RJ: Manifestantes fazem ato contra a criminalização dos movimentos populares (15/05)



RJ: Manifestantes fazem ato contra a criminalização dos movimentos populares

Por Rafael Gomes
Na tarde da última terça-feira, 15 de maio, estudantes, professores, moradores de ocupações sem-teto e ativistas participaram do ato contra a criminalização dos movimentos populares realizado na Praça Mauá, Centro do Rio de Janeiro.

O ato teve início na Praça e se encaminhou até a entrada do prédio da Justiça Federal, na Avenida Venezuela.

Com faixas, cartazes e instrumentos musicais, os manifestantes se posicionavam contra a condenação do professor da rede estadual Filipe Proença por “crime de resistência” que, supostamente, haveria ocorrido por ele participar de um ato em apoio à ocupação sem-teto Guerreiros Urbanos, em dezembro de 2010 (Leia a nota: Professor é condenado por apoiar ocupação de sem-teto).

Os presentes no ato também se posicionavam contra a condenação do advogado da Frente Internacionalista dos Sem-Teto, André De Paula. Sua prisão se deu em 2005 quando ele defendia uma ocupação do prédio do INSS localizado ao lado da Câmara Municipal, hoje Ocupação Manuel Congo.

Em frente ao edifício da Justiça Federal, as organizações tomaram a palavra no carro de som condenando a criminalização das lutas populares no Rio de Janeiro e em todo o país. Além da Frente Internacionalista dos Sem-Teto (FIST), prestaram seu apoio ao ato representantes da Organização Anarquista Terra e Liberdade, do Movimento Estudantil Popular Revolucionário (MEPR), do Reagrupamento Revolucionário, da União Popular Anarquista, Coletivo Anarco Funk, professores da rede estadual de educação e estudantes de uma escola estadual do município de Magé.

Foram repudiadas também as perseguições contra as ocupações urbanas em todo o país, ao movimento dos camelôs, aos movimentos contra as remoções, aos militantes da Liga dos Camponeses Pobres assassinados pelo latifúndio, aos militantes presos e investigados dos movimentos contra o aumento das passagens, etc.

Foto tirada por ‘Chapolin’ e vídeo feito pelo ‘Coletivo Vídeo Gráfico’.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Mais lidas nesse mês:

Mais lidas do blog:

SEGUIDORES