QUEM SOMOS NÓS

Minha foto
Somos uma organização marxista revolucionária. Procuramos intervir nas lutas de classes com um programa anticapitalista, com o objetivo de criar o Partido Revolucionário dos Trabalhadores, a seção brasileira de uma nova Internacional Revolucionária. Só com um partido revolucionário, composto em sua maioria por mulheres e negros, é possível lutar pelo governo direto dos trabalhadores, como forma de abrir caminho até o socialismo.

terça-feira, 6 de março de 2012

"Novas Forças Revolucionárias estão Emergindo", de James P. Cannon

O Coletivo Lênin tem o orgulho de traduzir pela primeira vez para o português esta carta de James Patrick Cannon, o veterano revolucionário trotskista americano. Traduzimos porque é a mais perfeita explicação da nossa concepção do que deve ser uma internacional revolucionária.

Observação: nós concordamos que seria correto discutir com o Movimento 26 de Julho, dirigido por Fidel Castro e Che Guevara, na época em que a carta foi escrita (1962), porque o movimento estava dirigindo uma revolução socialista (tinha expropriado a burguesia entre agosto e novembro de 1960), e estava evoluindo à esquerda, em clara ruptura com as suas origens nacionalistas pequeno-burguesas. Mas, conforme Cuba teve que se adaptar ao bloco dirigido pela URSS, o PC cubano (formado em  1965) se definiu como uma organização stalinista, se posicionando contra a democracia socialista no Leste Europeu, apoiando governos de esquerda e voltando à teoria da revolução por etapas. Mesmo assim, Cannon e o Secretariado Unificado da Quarta Internacional continuaram consideramdo o PC cubano um partido revolucionário, o que levou a graves erros políticos.





Novas forças revolucionárias estão emergindo
James
P. Cannon


22
de maio de 1961
Para
o Comitê Político
New
York, NY

Caros Camaradas,

Tenho estudado cuidadosamente as minutas da direção de 3 de maio. As observações de Morris Stein, Murry [Weiss] e Bob Chester sobre o movimento mundial estão muito de acordo com a linha do meu próprio pensamento. Também concordo com as observações de Dobbs no sentido de que a nossa resolução internacional, agora em fase de elaboração, dando uma declaração positiva sobre os nossos próprios pontos de vista no momento presente, é a melhor maneira de começar a nossa contribuição para a discussão internacional.

Eu acho que deveriam ser francamente apresentadas como tal, como nossa contribuição para a discussão internacional e, conseqüentemente, como Farrell indica em suas observações, que estarão sujeitas a possíveis modificações, mais tarde, à luz dessa discussão. Isso é simplesmente outra maneira de dizer que estamos dispostos a aprender, bem como ensinar; e não iniciar uma discussão com ultimatos.

Eu não estou inteiramente certo agora, mas me inclino cada vez mais para a idéia de que a presente resolução internacional, como eventualmente pode ser adotada pela Convenção, deverá ser publicada na nossa revista. Queremos atingir o público mais amplo possível em todos os setores do movimento internacional. Isso não será possível se nós simplesmente passarmos adiante entre algumas pessoas em forma mimeografada.

A "fragmentação" do movimento internacional, de que falou Murry em suas observações, na minha opinião é, não totalmente, nem mesmo principalmente, uma manifestação negativa. Parece-me que todo o movimento internacional, em todos os seus ramos e as afiliações e setores independentes, está em um processo de fermentação e reexame dos problemas da construção do partido. Isso coloca uma discussão séria na agenda. Ela, por sua vez, pode conduzir finalmente a uma maior unificação das forças trotskistas internacionais, e de outros que ainda não se reconhecem como trotskistas.


***


A unificação não está definitivamente na ordem do dia agora, e seria irrealista falar sobre isso em termos concretos. Mas a perspectiva de uma maior unificação do que nós já conhecemos antes tem que ser mantida em mente o tempo todo, como o objetivo para o qual a discussão se destina. A unificação que prevemos e queremos não deve ser simplesmente a unificação das organizações ou grupos formalmente filiados ao Comitê Internacional e ao Secretariado Internacional, e outros grupos trotskistas, que no momento se mantêm independentes.

Novas
forças revolucionárias estão a surgir, nomeadamente no momento em Cuba, e provavelmente toda a América Latina, que nunca tiveram filiação internacional anterior, ou mesmo organização formal, por razões nacionais. Sabemos, também, de várias divisões do partido stalinista, no México. profundas divisões em outros partidos stalinistas na América Latina. Os trotskistas de recentemente fizeram uma fusão com um grupo de ex-stalinistas. um grupo de ex-membros d PC no Japão etc.

Se o nosso movimento deixar de prever e, conscientemente, visar a colaboração e eventual unificação com novas pessoas que estão realmente empenhadas em realizar uma revolução socialista, ou de se esforçar para isso, se marcará como uma seita fútil e sem vida, em vez de ampliar o movimento revolucionário, como Trotsky previu.

O objetivo da discussão não é produzir novas divisões e rachas até que não haja nada, a não ser uma igreja estéril só para a autossatisfação dos escolásticos. É certo que a discussão das diferenças óbvias, na sua primeira fase, forma linhas claras de diferenciação. Mas o objetivo do presente método de procedimento não é simplesmente congelar velhas divisões e fabricar novas. O objetivo, ao contrário, é colocar todos os pontos de vista na mesa para apreciação e discussão, com a expectativa de que alguns, senão todos, dos participantes da discussão vão mudar e aprender com os argumentos e os acontecimentos que se desdobram e se aproximar juntos em uma ampla unificação.


***


Ao elaborar a nossa abordagem táctica para este problema complexo, devemos nos basear em todas as experiências do passado, não apenas as experiências de ontem ou anteontem. A história do nosso próprio movimento desde 1928 é muito rica nessas experiências. Mas as principais linhas orientadoras remontam a muito antes disso. As lutas do bolchevismo, desde o seu início em 1903 até a Revolução de Outubro, e através dos primeiros anos da Internacional Comunista até a morte de Lenin, são uma parte importante do nosso patrimônio.

A idéia de uma internacional monolítica e de partidos nacionais monolíticos têm nenhum suporte nessas experiências. A história do bolchevismo, desde o seu início até a Revolução de Outubro, foi uma história não só de divisões, mas também de tentativas de unificação e unificações com os mencheviques. Não foi até 1912 que os bolcheviques formalmente constituíram-se como um partido independente e não mais como uma fração da social-democracia russa. E depois disso, não deve ser esquecido, porque o destino da revolução dependeu disto, os bolcheviques fizeram uma unificação com Trotsky e seu grupo após a Revolução de Fevereiro, e também deixaram a porta aberta para quaisquer sinais de uma virada revolucionária da parte dos mencheviques de esquerda.


***


A Internacional Comunista não foi construída como um movimento de massas em seus primeiros dias, simplesmente proclamando a necessidade de novos partidos em cada país. Houve um processo mais prolongado de unificações e rachas em diferentes países antes das seções nacionais do Komintern ficarem firmemente estabelecidas.

O
Partido Comunista da Alemanha originou-se com o grupo Spartacus, de Liebknecht e Luxemburgo. Mas isto foi seguido dois anos depois por uma unificação com a ala esquerda do Partido Socialista Independente, que deu ao Partido Comunista da Alemanha pela primeira vez uma base de massas. Na Inglaterra, o Partido Comunista foi criado através da fusão de um número de grupos sectários, nenhum dos quais tinha sido originalmente bolchevique. Na França e na Itália, os sindicalistas foram convidados. Nos Estados Unidos, o Comintern convidou o Partido Trabalhista Socialista (SLP), o IWW e da ala esquerda do Partido Socialista para participar do Segundo Congresso do Komintern.

O
mesmo processo de divisões e unificações ocorreu em praticamente todos os outros países nos primeiros dias da consolidação dos partidos da Internacional Comunista. Nos primeiros congressos da Internacional Comunista, diferenças profundas e sérias sobre as questões mais importantes foram livremente discutidas. Lênin e Trotsky não tentaram eliminá-las por expulsões e divisões. O "monolitismo" começou com Stálin, e não com Lênin.

***


A Oposição de Esquerda do Partido Comunista Russo foi organizada pela primeira vez em 1923. Mas em 1926, quando Zinoviev e Kamenev romperam com Stálin e Bukharin, a Oposição de Esquerda trotskista fez um bloco com eles e ganhou uma base muito mais ampla, como resultado.

O método de Trotsky, na criação dos primeiros quadros da Oposição de Esquerda Internacional, após a sua deportação para a Turquia em 1929, foi traçar linhas claras de demarcação para o novo movimento, e, em seguida, construí-lo, não só por divisões, mas também pela unificação com outros grupos de oposição. E então, depois que os quadros originais do trotskismo internacional foram consolidados, Trotsky iniciou uma nova série de discussões e negociações com elementos centristas de esquerda em partidos independentes e outros que ainda permaneciam dentro dos partidos da Segunda Internacional.


***


Trotsky nunca previu a IV Internacional como uma organização monolítica puramente trotskista, e sim como um amplo movimento revolucionário em que nós, trotskistas ortodoxos, possivelmente, sob certas condições e em determinados períodos, seríamos uma minoria. Ele declarou isso explicitamente em uma de suas cartas antes do Congresso de fundação em 1938. Ele propôs que Chen Tu-hsiu, que na época estava em forte conflito com a nossa seção chinesa sobre algumas questões importantes, fosse convidado para ser membro do Comitê Executivo Intemational.

O regime interno do nosso movimento internacional durante a vida de Trotsky nunca tentou impor monolitismo. Isso começou com Pablo. Os Boletins de discussão do nosso movimento internacional ao longo desse período mostram que as diferenças de opinião sobre as questões mais importantes surgiram de novo e de novo e foram livremente discutidas. Uma grande parte da nossa educação, de fato, foi obtida a partir dessas discussões.

O reconhecimento da União Soviética como um estado operário e da obrigação de defendê-la contra o ataque imperialista, era um princípio central do nosso movimento internacional no momento. Esta caracterização e essa atitude foram contestadas repetidamente, ano após ano, e livremente discutidas sem expulsões ou ameaças de expulsão.


***


Na batalha clássica de 1939-40 com a fração Burnham-Shachtman, eles estavam quase tão errados quanto era possível para uma fração nos EUA nas condições daquela época. Shachtman pensou que estavam envolvidos em uma "polêmica" e comportou-se como um colegial marcando pontos num debate. Ele realmente não sabia que estava lidando com a questão de uma revolução e que era perigoso brincar com tal questão. Ele não sabia porque não sentia isso.

Era um debate inflamado para nós naquele momento, assim como a Revolução Cubana é no presente, porque a opinião pública estava sendo mobilizada todos os dias por todas as agências imperialistas contra a União Soviética. Foi particularmente repreensível para Shachtman escolher esse período para lavar as mãos sobre a URSS. Mas, apesar dessa diferença profunda e terrível sobre uma questão tão ardente como a atitude em direção a uma revolução existente, Trotsky não defendeu um racha, nem mesmo se ficasse em minoria após a luta na Convenção. O racha aconteceu somente após a minoria se recusar a aceitar a decisão da Convenção.

Este ainda não é o fim da história. Sete anos mais tarde, conduzimos negociações sérias para a unidade com os shachtmanistas, apesar do fato de que não haviam mudado sua posição sobre a União Soviética no mesmo período. Aqueles que podem estar jogando com a idéia de um partido "monolítico" e uma internacional monolítica terá dificuldades em encontrar qualquer apoio isso nos ensinamentos e práticas do Velho.


***


Suponho que todos os participantes na discussão presente sabem que os trotskistas americanos fizeram uma fusão com os musteístas [um partido socialdemocrata de esquerda influenciado pela esquerda protestante, nota do CL] em 1934, e, em seguida, ingressaram no Partido Socialista em 1936. Mas não se deve esquecer que estas voltas táticas, que contribuíram fortemente para a expansão do nosso movimento em membros e influência durante os anos trinta, não foram bem realizadas. Primeiro tivemos que acertar as contas com os oehleristas [que eram contra o entrismo no Partido Socialista, nota do CL]. Eles nos deram palestras muito duras sobre o princípio do partido revolucionário independente e nos acusaram de traição, liquidação e outros crimes diversos. Os oehleristas diagnosticaram a nossa posição de forma incorreta, como os fatos amplamente demonstraram. Mas quando uma ameaça real de liquidacionismo nos confrontou em 1953 [a tendência Cochran-Clarke, que defendia a dissolução do SWP numa "União Socialista" com todos os setores que reivindicavam o socialismo, nota do CL], demonstramos que sabíamos como reconhecê-la e como lidar com ela.


***


Tudo isso é parte da experiência do passado que deve ser tida em conta, e até mesmo estudada, no período atual. O verdadeiro problema, agora como então, não é reconhecer a necessidade de novos partidos e uma nova intemacional - sabemos disso há muito tempo -, mas sim como construí-los e ampliá-los como uma grande força revolucionária.

Felizmente, o problema agora em discussão não é acadêmico. Centra-se, no momento, sobre Cuba e a Revolução Cubana e os líderes desta revolução. Em circunstâncias excepcionais, essas pessoas mudaram Cuba e mudaram a si mesmas. Elas têm realizado uma verdadeira revolução socialista, e armado a população activa, e defendido a revolução com sucesso contra uma invasão apoiada pelo imperialismo. E agora eles se proclamam abertamente socialistas, e dizem que a Constituição de 1940 está desatualizada e que uma nova constituição é necessária.

Na minha opinião, isso é muito bom para um início e eu estou falando aqui sobre as direções, bem como as massas que as apoiam. Se essas pessoas não são consideradas como participantes legítimos de uma discussão, e colaboradores eventuais em um novo partido e uma nova internacional, onde vamos encontrar melhores candidatos?

Trotsky, no meio dos anos trinta, iniciou ampla discussão e colaboração com centristas de esquerda que falavam sobre a revolução, e mesmo assim não muito convincente. Os revolucionários cubanos fizeram mais do que falar, e eles não são os únicos em questão agora. Estamos também em questão. O nosso discurso sobre revolução valeria a pena se não pudéssemos reconhecer uma revolução quando a vemos?

Fraternalmente,
Jim

2 comentários:

  1. "Trotsky nunca previu a IV Internacional como uma organização monolítica puramente trotskista, e sim como um amplo movimento revolucionário em que nós, trotskistas ortodoxos, possivelmente, sob certas condições e em determinados períodos, seríamos uma minoria. Ele declarou isso explicitamente em uma de suas cartas antes do Congresso de fundação em 1938. Ele propôs que Chen Tu-hsiu, que na época estava em forte conflito com a nossa seção chinesa sobre algumas questões importantes, fosse convidado para ser membro do Comitê Executivo Intemational.

    O regime interno do nosso movimento internacional durante a vida de Trotsky nunca tentou impor monolitismo."

    Isto é bem característico da personalidade do Trotsky... ele nunca se prendeu ao dogmatismo e ao ultimatismo partidário-ideológico. Em "A Revolução Permanente", se defendendo das acusações absurdas da escola stalinista sobre o seu suposto menchevismo, Trotsky afirma que, já divergindo dos mencheviques no ano de 1904, e também de Martov, considerado como a personalidade mais progressista dentro da corrente menchevique, nunca deixou de trabalhar pela unificação entre as diferentes correntes políticas dentro da social-democracia russa.

    Se, por um lado, Trotsky tenha reconhecido que seus erros e suas divergências com Lenin tenham se dado principalmente por esse seu caráter conciliador, não podemos deixar de reconhecer que, por outro lado, a sua tolerância com as diversas correntes políticas era reflexo da sua recusa ao pensamento monolítico.

    Obviamente que esta recusa não diz respeito apenas à sua personalidade, mas também às suas convicções teóricas. Em "A Revolução Traída", se opondo ao unipartidarismo soviético, o velho Leon afirma que até mesmo os trabalhadores possuem divergências entre si e, portanto, o pluripartidarismo seria legítimo em uma sociedade socialista.

    ResponderExcluir
  2. Embora, é claro, a sociedade soviética não tenha sido socialista, rs. Isso precisa ser dito para não pensarem que Trotsky acreditava na existência do socialismo soviético. Mas enfim, a discussão estabelecida por Trotsky em "A Revolução Traída" trata da necessidade do pluripartidarismo mesmo em uma sociedade socialista.

    ResponderExcluir

Mais lidas nesse mês:

Mais lidas do blog:

SEGUIDORES