QUEM SOMOS NÓS

Minha foto
Somos uma organização marxista revolucionária. Procuramos intervir nas lutas de classes com um programa anticapitalista, com o objetivo de criar o Partido Revolucionário dos Trabalhadores, a seção brasileira de uma nova Internacional Revolucionária. Só com um partido revolucionário, composto em sua maioria por mulheres e negros, é possível lutar pelo governo direto dos trabalhadores, como forma de abrir caminho até o socialismo.

domingo, 2 de março de 2014

[Bruno Ruivo e Coletivo Construção] GREVE DOS GARIS DO RIO DE JANEIRO: BALANÇO, DESAFIOS E PERSPECTIVAS


















Os garis do Rio de Janeiro passaram os últimos trinta anos sendo "representados" por um sindicato tão patife que chega a ser um elogio chamá-lo de pelego. Quem o administra é uma corja tão suja quanto a imundície que os garis precisam catar nas ruas, ao enorme custo de suas saúdes. Ela opera em estreita sintonia com os prefeitos da cidade do Rio de Janeiro e possui ligações com a UGT, a central sindical que sustenta o PTB, partido de figuras de conhecida reputação, como Roberto Jefferson, Collor de Mello, Luiz Antônio Fleury Filho e uma complexa máfia paranaense que abarca desde os financistas do falido Bamerindus, como a família Andrade Vieira, como os seus sócios da família Martinez, que fundaram a CNT, lavando dinheiro colorido. 


O "Sindicato de Empregados de Atividades de Asseio e Conservação" está há trinta anos nas mãos dos mesmos canalhas, liderados por uma soturna figura chamada "Meirelles", e por conta de um leal governismo de seus membros, conseguiram bloquear todas as tentativas de paralisações da sofrida categoria. Através de sagazes artimanhas judiciais, do tipo que Collor e Jefferson conhecem bem, a "turma do Meirelles" conseguiu sistematicamente impugnar as chapas de oposição nas eleições sindicais, fazendo-as perder prazos de registro camuflados pelos burocratas. A Chapa 2 das últimas eleições entrou na Justiça contra essa esperteza, mas o processo anda parado e os chefões já fizeram movimentos para neutralizar os adversários, buscando cooptar uns e enganar os demais. 



Apesar da sofisticada engenharia de fraudes que mantém a turma do Meirelles há três ininterruptas décadas à frente de uma entidade que em tese representa vinte mil trabalhadores em condições horripilantes, um movimento espontâneo da classe conseguiu se unir para além das imensas dificuldades diárias e lançou-se em grandes manifestações no embalo das jornadas que começaram em junho. Na última terça-feira antes do Carnaval, ao menos dois mil garis saíram às ruas em protesto, e na sexta da mesma semana, eles fizeram um ato em frente à sede do sindicato, na Rua Doutor Satamini, 189, na Tijuca, à partir das 15 horas. O Fórum de Lutas do Rio de Janeiro, do qual o COLETIVO CONSTRUÇÃO faz parte cumprindo um papel decisivo, esteve presente em ambos os eventos, sendo que no ato de sexta foram de imenso valor no auxílio logístico e jurídico aos garis, garantindo a permanência do ato por várias horas, a despeito da presença ostensiva de policiais militares, de pelegos à paisana que fotografavam os articuladores do processo, e de dezenas de malandragens que o presidente do sindicato Luciano buscava armar para desarrumar o delicado esforço. 



Se apossando de um rudimentar megafone do sindicato e de um uma precária caixa de som, os garis pararam boa parte da rua e mantiveram os ânimos da classe em alta, até que, encurralado, o presidente do sindicato, um pelego profissional chamado "Luciano" aderiu, à greve por escrito, por volta das nove da noite, prevendo sua eclosão oficial à meia-0noite de sexta pra sábado e convocando uma Assembléia-Geral para o dia seguinte, ao meio-dia para determinar seus rumos. Com sua assinatura e carimbo, os garis fizeram centenas de cópias do documento para espalhá-los por todas as unidades de trabalho, a fim de paralisar toda a cidade às vésperas do festival de lixo que costuma ser o Carnaval. O COLETIVO CONSTRUÇÃO esteve entre os mais renitentes apoiadores do Fórum de Lutas, participando do ato até seu gradual esvaziamento às dez, onze horas da noite*. 



POR QUE A GREVE DOS GARIS?



Como é que uma das categorias mais exploradas, fisicamente esgotada tanto pela rotina quanto pela própria natureza do trabalho conseguiu arrancar uma greve de um sindicato tão vendido? 



Uma das explicações está na própria resiliência dos trabalhadores. Os garis enfrentam desafios imensos, aguentando as condições mais perversas de trabalho, varrendo sarjetas e raspando calçadas, catando detritos e limpando urinas. Alguns exigências de trabalho são surreais: um gari pode ter sua residência em Santa Cruz e ser destacado para trabalhar na Lapa, apesar de morar a alguns metros de uma unidade da Comlurb. Mesmo percorrendo as horas e horas desgastantes do transporte carioca, esses garis aturam a repreensão patronal por míseros vinte minutos de atraso, para em seguida encarar uma das jornadas de trabalho mais sofridas do proletariado carioca. Determinados e aguerridos, esses trabalhadores valorosos--negros, em sua maioria--não têm medo de enfrentar um sindicato de crápulas em conluio com o prefeito carioca. 



Outra explicação está na própria perda de modéstia--como diria Nelson Rodrigues--dos idiotas que controlam o aparelho sindical. Em meio às ameaças de paralisação que rondaram a Comlurb desde o fim de 2013, o sindicato, sem a mais pálida consulta às bases, fez um péssimo simulacro de acordo com o prefeito Eduardo Paes--que os trata como sócios nesse teatro tragicômico--de um reajuste minúsculo que mal obedece as taxas de inflação. Nenhuma das exigências da categoria foi minimamente cogitada, e os garis explodiram numa convulsão espontânea exigindo a extinção dessa gestão sindical asquerosa. Também podemos associar esse salto de qualidade ao peculiar clima nacional constituído a partir das jornadas de maio e junho de 2013, com manifestações e ocupações em todas as partes do País, precipitando uma série de lutas inesperadas e originais. Vale lembrar que os profissionais de Educação do Rio de Janeiro lançaram uma greve que pegou o próprio sindicato de surpresa. A ressurreição do Fórum de Lutas na virada de 2013 pra 2014 ajudou a instrumentalizar essas lutas, e continuará ajudando enquanto o sectarismo e hegemonismo forem derrotados. 



Mas há outra explicação para esse sucesso, que é justamente o seu caráter parcial. O sindicato não compareceu à Assembléia de sábado ao meio-dia, e passou o fim-de-semana se articulando com o prefeito Eduardo Paes para desmentir a greve e obter da Justiça uma declaração de sua ilegalidade. Os garis que foram a Assembléia do sábado saíram do sindicato enojados com seus burocratas, mas determinados a seguir o combate, marchando à Prefeitura na Cidade Nova para fechar a Avenida Presidente Vargas e fazer um ato passando rente ao Sambódromo e convocando uma assembléia espontânea para eleger um comando de greve e articulação interna. Esse comando liderou os garis até a Defensoria Pública para derrubar a liminar da juíza--a mesma que já havia dinamitado outra greve de garis a pedido do prefeito Paes. 



QUAIS SÃO AS PERSPECTIVAS DA GREVE PARA A ESQUERDA?



Nesse momento temos como, em particular, instrumentalizar essa luta para que pendengas jurídicas e ameaças patronais não arrefeçam o ânimo desses trabalhadores valentes. Colocarmos recursos à disposição dos garis e ajudar o comando de greve e articulação interna a reverter as tramóias arquitetadas pelo imundo prefeito Paes e a fétida "turma do Meireles". As tarefas de todos os sindicatos da luta é disponibilizar suas ferramentas a favor de uma categoria cujo sindicato oficial é tão nocivo quanto os próprios patrões, cedendo megafones, carros de som, kombis, gráficas, microfones e aparelhos de som, auditórios e experiência para tornar essa greve a mais revolucionária do começo do ano. E as tarefas de todos os parlamentares socialistas é descer às ruas para proteger esses garis corajosos do peso aberrante do Estado que começa a reagir na marra o que não conseguiu impedir debaixo dos panos, injetando recursos nessa luta para desmontar o império de sujeira do prefeito Eduardo Paes e dos plutocratas que o financiam.



*Um de nossos integrantes inclusive percorreu a cidade com três garis em busca de um cartório que pudesse registrar o documento conquistado do sindicato, pagando o táxi de seu próprio bolso.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Mais lidas nesse mês:

Mais lidas do blog:

SEGUIDORES