QUEM SOMOS NÓS

Minha foto
Somos uma organização marxista revolucionária. Procuramos intervir nas lutas de classes com um programa anticapitalista, com o objetivo de criar o Partido Revolucionário dos Trabalhadores, a seção brasileira de uma nova Internacional Revolucionária. Só com um partido revolucionário, composto em sua maioria por mulheres e negros, é possível lutar pelo governo direto dos trabalhadores, como forma de abrir caminho até o socialismo.

quinta-feira, 13 de agosto de 2015

Perigo de guerra na fronteira síria (DB/Turquia)

http://lcligacomunista.blogspot.com.br/2015/08/turquia-dordunku-blok.html?m=1

TURQUIA – DÖRDÜNKÜ BLOK

Perigo de guerra na fronteira Síria
a atual crise no Oriente Médio e suas perspectivas

Reproduzimos abaixo texto dos camaradas trotskistas turcos do DÖRDÜNKÜ BLOK, bloco quartainternacionalista, em português.



Hoje nós estamos enfrentando uma grande crise no Oriente Médio. O povo palestino vive sob a opressão do Estado sionista de Israel. O terrorismo do Isis faz da guerra civil na Síria um inferno. E, apesar de parecer uma operação simples envolvendo o Irã e a Turquia, está sendo realizada uma grande intervenção imperialista contra luta do povo curdo em que o governo turco se meteu para desencadear uma guerra ainda maior.

A burguesia imperialista reconhece a Turquia possui características de uma potência regional e que aspira este status e que o AKP [Partido da Justiça e Desenvolvimento, ao qual pertence o atual presidente, Recep Tayyip Erdoğan] fez progressos significativos neste sentido. Por isso, ele continuamente se envolve em conflitos no Oriente Médio e, especialmente, apoiando grupos como o FSA e o “Estado Islâmico”. Mas, devido a covardia da burguesia turca, suas aspirações nacionais para ter uma independência política, não se contrapõe aos interesses da OTAN.

Os ataques militares orientados pelo governo turco contra a Síria têm como principal motivo impor uma derrota as forças da guerrilha curda YPG [ Unidades de Defesa Popular, grupo guerrilheiro turco-curdo, do qual faz parte o YPJ, o batalhão feminino do YPG, colaterais armadas do PKK, o Partido dos Trabalhadores do Curdistão ] e ampliar sua zona de influência no território sírio em uma frente com as forças de oposição a Assad. Mas, é bastante evidente que as burguesias russa e iraniana não vão permitir pacificamente esta intervenção. Rússia, em particular, não abre mão de sua única base naval no Mediterrâneo, localizada na Síria. O Irã não quer perder o seu aliado mais importante no Oriente Médio, o governo de Assad. Também provavelmente o exército turco seja derrotado na batalha contra o PKK pela soberania do norte da Síria, uma vez que este último se aproximou do bloco russo-iraniano. Neste caso, a Síria vai se transformar em um completo atoleiro para a burguesia Turquia.

Cada criança faminta originada deste conflito, milhares de trabalhadores que são obrigados a trabalhar em prol dos interesses da burguesia vão morrer em vão. Ao mesmo tempo, esta ambição turca associada aos interesses da aliança ocidental imperialista podem desencadear uma guerra mundial, ou pelo menos uma guerra em todo o Oriente Médio como está cada vez mais evidente. Porque o Oriente Médio é o principal barril de pólvora no mundo e esta política pode incendiar todo Oriente Médio, o que inevitavelmente vai engolir o mundo inteiro.

QUAL O PRÓXIMO PASSO DA LUTA?

O que os trabalhadores e as trabalhadoras vão fazer nesta situação? Vamos esperar que eles morram neste banho de sangue, vão permanecer em silêncio em face da iminente guerra contra nossas crianças e jovens? De jeito nenhum! Mas a retórica pacifista, como na época dos bombardeios aéreos na guerra no Iraque é inútil. Não há outra força capaz de parar a guerra a não é ser a luta organizada da classe trabalhadora. Os pacifistas da classe trabalhadora devem aprender a se organizar de uma forma baseada nos interesses internacionalistas da classe trabalhadora, em vez de se limitarem a retórica pacifista devem lutar armados na guerra de classe contra a classe, como fizeram no passado, que se traduz na luta revolucionária contra sua própria burguesia. O caminho para a libertação dos povos e trabalhadores do Oriente Médio passa pela unidade das forças do povo trabalhador para estabelecer seu próprio poder.

No Oriente Médio, como em qualquer parte do mundo a única maneira de alcançar esse fim é através da revolução. Os trabalhadores devem acabar com o capitalismo, do contrário sofrerão mais guerras e exploração, etc.

PELA CONSTRUÇÃO DA QUARTA INTERNACIONAL

A classe trabalhadora também possui outro problema em seu caminho, a falta de uma direção que lidere suas lutas em todo mundo, a falta de um partido revolucionário da Quarta Internacional. Sem possuir esta direção a classe trabalhadora não pode cumprir suas tarefas políticas. Não podemos poupar esforços para construir a Quarta Internacional do proletariado, a principal tarefa dos revolucionários. A famosa frase de Trotsky, acerca da crise de direção, é agora mais importante, e esta crise não passa de um pesadelo no meio da luta pela construção do poder da classe trabalhadora. A construção dessa direção só é possível militando no coração da classe trabalhadora, depende de um trabalho de perseverança que exige muita paciência.

VIDA LONGA A LUTA POR UM ORIENTE MÉDIO OPERÁRIO E SOVIÉTICO
O FUTURO DA PAZ NO ORIENTE MÉDIO DEPENDE DA LUTA DOS TRABALHADORES!
GUERRA DE CLASSE CONTRA CLASSE!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Mais lidas nesse mês:

Mais lidas do blog:

SEGUIDORES