QUEM SOMOS NÓS

Minha foto
Somos uma organização marxista revolucionária. Procuramos intervir nas lutas de classes com um programa anticapitalista, com o objetivo de criar o Partido Revolucionário dos Trabalhadores, a seção brasileira de uma nova Internacional Revolucionária. Só com um partido revolucionário, composto em sua maioria por mulheres e negros, é possível lutar pelo governo direto dos trabalhadores, como forma de abrir caminho até o socialismo.

quinta-feira, 14 de março de 2013

Pela reintegração do camarada Downing, motorista de ônibus, demitido por perseguição política na Inglaterra pela empresa Metroline


Fonte: Liga Comunista, seção brasileira do CLQI (Comitê de Ligação pela Quarta Internacional)


Gerry Downing, dirigente do Socialist Fight britânico (agrupamento membro do CLQI, do qual faz parte a LC brasileira e a TMB argentina) presidente do agrupamento sindical, Grass Roots Left (Esquerda de Base) foi sumariamente demitido na terça-feira, 12 de março pela empresa de ônibus de Londres, Metroline sob a acusação espúria de "comportamento inadequado para com um passageiro enquanto conduzia a linha 210".

A demissão teve claros motivos políticos e ocorreu durante a campanha eleitoral por Jerry Hicks (candidato da oposição de esquerda) para secretário-geral do Unite (a maior federação sindical britânica). Este ataque se segue a acusação de difamação movida pela atual direção da Unite contra Gerry e o Weekly Worker (jornal semanal do Partido Comunista da Grã Bretanha). A acusação de difamação partiu de uma subsede da Unite, dirigida por Wayne King, Diretor Industrial da Federação contra uma carta de Gerry defendendo outro trabalhador de ônibus que foi demitido em 12 de janeiro de 2012: Abdul Mohsin Omer.

Sua carta ao Unite do Secretário General e ao Conselho Executivo enviada no dia 30 de Dezembro permanece sem resposta.

Gerry tem sido também uma pedra no sapato da patronal Metroline há mais de duas décadas, como ele diz em sua defesa:

"Este salto de qualidade no ataque em questão não pode ser separado da minha história anterior contra a Metroline – eu já fui demitido duas vezes pela Metroline no passado e, posteriormente, reempregado pela mesma devido à compra de pequenas empresas de ônibus em que eu trabalhei pela Metroline. Primeiro foi o caso West Periperi onde eu fui injustamente acusado gravemente de racismo, acusação que foi abandonada sem explicação. Em seguida, fui novamente acusado, mas não demitido. Houve também a acusação de um assalto contra Rep Lamont Jackson, que mostrou-se falsa uma vez que eu tinha sido a vítima. O assunto foi abandonado sem nenhuma ação adicional pelo gerente Sampandia da garagem de Willesden. Em seguida, fui acusado de distribuir panfletos em Cricklewood, acusação contra a qual entrei com recurso e que posteriormente foi anulada".

Esta demissão também deve ser vista no contexto do grande aumento das demissões na Metroline como consequência da introdução dos terríveis novos contratos que começaram em janeiro de 2012. Trata-se de fazer economia demitindo um “motorista sênior” com custos e direitos trabalhistas relativamente bons para substituí-lo por um novo motorista com custos e direitos muito inferiores. Um exemplo disto foi a recente demissão de uma motorista de origem hindu por três pequenos acidentes com o retrovisor com vinte anos de serviços prestados a Metroline. Oscar Alvarez, um membro do IWW (Industrial Workers of the Word, agrupamento internacional anarcossindicalista) que trabalhava na garagem Periperi da Metroline também foi recentemente demitido por uma acusação semelhante após uma colidir seu ônibus com um carro dirigido por uma motorista que admitiu ter cortado o ônibus dirigido por Alvarez, provocando o acidente.

A condenação de Gerry no processo disciplinar que o demitiu foi consumado pela inclusão ao mesmo de uma carta do Chefe de Garagem, Leroy Webley, em resposta a uma de duas reclamações de um passageiro sobre um incidente que teve lugar na linha de ônibus 210 em 15 de fevereiro.

A resposta de Webley a reclamação do passageiro dizia: "Assim, os motoristas devem se comportar de uma maneira educada e profissional em todos os momentos.

Nós não agimos assim nesta ocasião, e peço desculpas por qualquer transtorno / sofrimento que você possa ter sofrido como resultado do mau atendimento ao cliente realizado pelo condutor."

12 dias antes Gerry foi encarregado de apresentar sua versão dos acontecimentos:

Este é o relato de Gerry no processo:

“A audiência durou quase oito horas e três processos disciplinares também previstos para aquele dia tiveram de ser adiados porque o experimentando sr. Hill teve uma considerável dificuldade em justificar a minha demissão. Ele passou quase uma hora e meia de consultar o gerente de garagem, Leroy Webley, antes de entregar o veredicto depois de seis horas, e mais de uma hora extra após o horário que ambos deveriam estar em casa.

Ridiculamente, o julgamento queria saber se eu estava estressado porque a criança mentalmente doente gritou dentro do ônibus por meia hora tomando o ônibus tanto na ida quanto da vinda de seu trajeto, para o Hospital Whittington em Archway, ou se eu estava preocupado com a segurança da criança. Eu tinha afirmado que esta última foi a minha preocupação, mas de nada adiantou e ele insistiu eu tinha agido por causa do estresse da situação e dos meus próprios problemas domésticos (minha companheira está prestes a passar por uma grande operação de câncer de garganta) e eu não tinha legítimas preocupações com a segurança da criança. Ele também rejeitou o meu apelo para que entendesse que o estresse prejudica a saúde e a segurança, podendo levar que o motorista cometa um acidente.

Eu não tinha conhecimento da relação entre a criança e o adulto e, no final da audiência, o gerente admitiu que, se o homem que acompanha a criança era um educador e não o pai, o fato de que ele continuamente cobria a boca da criança e enrolava um cobertor muito apertado na mesma constituiria um abuso. Se isso não era abuso, independente da relação dele com a criança, ele não explicou.

Antes da conclusão da audiência, enquanto aguardava o veredicto, outro motorista da linha 210 veio a mim e contou como ele tivera o mesmo homem em seu ônibus de algumas semanas antes e ele havia gritado da mesma maneira. Ele disse que ficou claro que o garoto tinha problemas mentais e precisava de uma necessária assistência. No meu caso, depois de três paradas sob aquela tensão eu parei o ônibus e chamei um táxi, perguntando se o homem não preferia chamar uma ambulância para o garoto. O homem disse: ‘Não, não, não, a criança está apenas chateada.’

Ele disse que a segurança da criança parecia estar em perigo e parecia que ele estava sendo maltratado pelo homem. O motorista relatou o fato em detalhes e estava disposto a mostrar estas evidências na audiência, mas o gerente se recusou a ouvi-lo e ele disse que o caso estava encerrado. O outro motorista se dispôs a apresentar seu testemunho como recurso.

Tudo ficou evidente e até a minha linguagem corporal e o tom de voz que eu usei quando fiz duas perguntas ao homem. Mas este tratamento foi considerado tão grosseiro e ofensivo que eu tinha que ser demitido imediatamente para proteger o público.

Em qualquer situação, a condução de um ônibus é um trabalho muito estressante. No dia 15 de fevereiro estava a menos de uma semana antes de minha companheira enfrentar uma grande operação para remover de sua garganta um câncer. Isto ocorreu no dia 21/02. O processo da operação consumiu um dia inteiro e os médicos nos disseram e suas chances de sobrevivência eram de apenas 30%. Tornava-se quase impossível continuar a conduzir com aquela intensidade de gritos dentro do ônibus. Isso poderia causar-me um acidente, e eu não tinha conhecimento de quanto tempo isso poderia durar, talvez todo o caminho até Brent Cross. Eu não poderia ter continuado por muito mais tempo dirigindo sob aquela pressão e a criança precisava de ajuda urgente, por isto eu interpelei o homem que claramente não estava à procura de assistência médica para a criança o mais rápido possível – ele tinha vindo do Hospital Whittington e tinha passado em frente a clínica médica de Almington, a caminho do Parque Finsbury. E mesmo assim, estou apenas especulando que quando ele saiu da estrada de Almington foi para levar a criança para alguma clínica médica, mas teria se perdido na viagem de Archway e por isto estivesse angustiado. Nunca no passado fui considerado culpado de qualquer comportamento inadequado para os passageiros.”
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Mais lidas nesse mês:

Mais lidas do blog:

SEGUIDORES