QUEM SOMOS NÓS

Minha foto
Somos uma organização marxista revolucionária. Procuramos intervir nas lutas de classes com um programa anticapitalista, com o objetivo de criar o Partido Revolucionário dos Trabalhadores, a seção brasileira de uma nova Internacional Revolucionária. Só com um partido revolucionário, composto em sua maioria por mulheres e negros, é possível lutar pelo governo direto dos trabalhadores, como forma de abrir caminho até o socialismo.

segunda-feira, 17 de junho de 2013

A polícia é derrotada na maior manifestação desde as Diretas Já!


Ainda não tivemos tempo de entender o tamanho da mobilização de hoje, então vamos fazer só alguns comentários mais importantes sobre o que a gente já sabe:

- Com mais de 100 mil pessoas no Rio, 80 mil em São Paulo, 10 mil em Brasília, e atos em mais de 60 cidades, esse foi o maior protesto desde as Diretas Já! E foram muito mais radicalizados, com a ocupação da Esplanada dos Ministérios e da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro.

- No Rio de Janeiro, o choque teve que recuar várias vezes, dando ao ato características semi-insurreicionais. Apesar dos excessos, a grande maioria dos alvos da violência foi legítima, principalmente a ALERJ, uma das instituições mais odiadas do Estado. Temos que defender esse tipo de violência, diante dos setores pacifistas do movimento.

- Isso representa um ascenso histórico no país, em plena democracia parlamentar. Parece que, finalmente, o Brasil está se sincronizando com as lutas que estão acontecendo em todo o mundo, contra os efeitos da crise mundial.

- Uma comparação útil que pode ser feita é com o Egito em 2011. Por causa da fragmentação extrema provocada pela reestruturação do capitalismo da década de 1970, o movimento organizado dos trabalhadores não consegue direcionar ideologicamente, nem mesmo organizar a mobilização. Em vez disso, surgem formas de organização territorial, que têm uma capacidade de luta muito grande, mas não conseguem sustentar uma organização popular permanente.

- Por causa disso, a grande maioria das pessoas protestando vem para os atos com uma consciência política muito atrasada, sem conseguir formular objetivos para o movimento nem entender quais caminhos devem ser tomados. Uma expressão disso foi a queima da bandeira de partidos que sempre estiveram nos movimentos, como o PSTU. Outra foram as várias vezes em que foi cantado o Hino Nacional, dos latifundiários e senhores de escravos. Pior ainda, quando os bombeiros chegaram pra apagar o incêndio e foram aplaudidos. Isso expressa uma despolitização muito perigosa, e que pode ser manipulada pela direita.

- As correntes de esquerda devem tentar formular objetivos claros para o movimento, mas sem perder de vista que o processo de reconstrução do movimento dos trabalhadores depois da derrota que foi a destruição da URSS vai ser longo, e que não temos que esperar resultados imediatos.

- No momento, além da luta pela redução das passagens, o tamanho das manifestações coloca diretamente a necessidade de uma perspectiva política. Além da nossa propaganda permanente pela necessidade do partido revolucionário, temos que direcionar a revolta contra os aumentos e a repressão policial.

Ainda vamos discutir com os companheiros de São Paulo e das outras cidades mas, aqui no Rio de Janeiro, para nós esse movimento tem que ter uma perspectiva política clara, que já tem sido formulada pelos manifestantes, e que abriria a possibilidade de questionar toda a situação causada pela preparação dos megaeventos: Fora Cabral!

5 comentários:

  1. A direita, setores tucanos, democratas e viúvas da Ditadura estão querendo sequestrar o movimento para o que eles acham que seria uma revolução contra o governo do PT. Já começam a levantar bandeiras de Impeachment de Dilma. Não vai colar. Esse é um balão de ensaio que pode levantar um pouco, e quando murchar, acaba refletindo na desmobilização completa do movimento original, que tem raízes mais municipais, estaduais. As bandeiras contra o executivo federal não devem ser encaminhadas para esse lado, senão vira derrota da mobilização, para alegria do PT e sua aliança governista. Cuidado com esse viés da direita, porque eles tão vindo com tudo por esse lado. Já vejo nas redes sociais.
    Luiz Guilherme M.Moraes, Rio

    ResponderExcluir
  2. Sem falar que o grupo "anonymous", que está se colocando na linha de frente na divulgação pelo facebook. No entanto, esse "grupo" ta divulgando o movimento contra as passagens associando com a luta contra corrupção, contra a tal "PEC 37", que a própria divulgou chamando manifestação contra. Claro, não falo isso esquecendo da recente adesão deles à campanha pela redução a maioridade penal. Claro, a luta é contra a impunidade né? Contra os politicos corruptos e também contra a juventude trabalhadora que é perseguida pela lei.
    Claro, não esqueçam também dos cartazes pluriformes "CONTRA O AUMENTO DAS PASSAGENS! CONTRA OS IMPOSTOS! ABAIXO A IMPUNIDADE"
    Dá vontade de perguntar: como se é contra o aumento das passagens feita pelos empresários, se é contra a taxação de impostos sobre esses mesmos empresários e ao mesmo tempo é contra a impunidade e favor do Estado Penal pedindo mais punição generalizada?

    ResponderExcluir
  3. *A própria GLOBO ta divulgando contra a PEC 37

    ResponderExcluir
  4. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  5. A análise do CL é boa, porque não tapa os olhos (e nem poderia fazê-lo) à "geleia geral". Há os partidos e os movimentos que, desde o primeiro momento, apoiaram e apoiam a luta pelo passe livre. Mas também há muita despolitização e confusão ideológica. O sujeito que grita "fora partidos!" -no caso, PSTU e PCB- enquanto está embrulhado na bandeira nacional (!) é um fascista, mas (ainda) não sabe.

    ResponderExcluir

Mais lidas nesse mês:

Mais lidas do blog:

SEGUIDORES