QUEM SOMOS NÓS

Minha foto
Somos uma organização marxista revolucionária. Procuramos intervir nas lutas de classes com um programa anticapitalista, com o objetivo de criar o Partido Revolucionário dos Trabalhadores, a seção brasileira de uma nova Internacional Revolucionária. Só com um partido revolucionário, composto em sua maioria por mulheres e negros, é possível lutar pelo governo direto dos trabalhadores, como forma de abrir caminho até o socialismo.

terça-feira, 25 de junho de 2013

Ato na quinta-feira, às 17 na Candelária! Com partidos, com bandeiras, sem fascistas e sem hino nacional!


Na maior reunião desde a sua fundação, as quase três mil pessoas presentes na Plenária do Fórum contra o Aumento  aprovaram um calendário de lutas. Além da luta permanente pela redução das tarifas dos transportes e por um sistema de transporte público, gratuito e controlado pela população, o fórum também é contra a terceirização na educação e na saúde, contra as privatizações do Complexo do Maracanã e contra as remoções

Na quinta-feira, dia 27/06, foi marcada manifestação, com concentração às 17h na Candelária, para retomar a luta. 

No domingo, dia 30/06, vão acontecer dois atos, junto com o Comitê Popular da Copa, o primeiro às 9h, com concentração na Praça Saens Peña, e o segundo às 16h, no Maracanã.

Tudo indica que a Globo e a ala dirigente da direita brasileira não quis usar a mobilização reacionária da semana passada para tentar dar um
golpe contra o governo do PT. Em vez disso, eles procuram arrancar concessões, como na reunião da segunda passada da presidente Dilma com os governadores e prefeitos das capitais e, agora, na proposta de reforma política.

Nós ainda vamos fazer uma autocrítica sistemática da nossa caracterização de iminência de golpe, mas o que interessa para as manifestações do calendário é que a Globo não está mais agitando pela televisão para as pessoas comparecerem com bandeiras vazias ou reacionárias("contra a corrupção", "Joaquim Barbosa Presidente"), num clima nacionalista e antipartidos.

Por isso, o mais provável é que os atos retomem o seu perfil de esquerda, de luta direta contra os empresários. Mesmo assim, devemos estar preparados para a autodefesa contra qualquer grupo fascista que possa aparecer.

Infelizmente, os companheiros do PSTU, mais uma vez expressando o legalismo do partido, se limitaram a defender uma moção de repúdio contra os fascistas (!!!). Isso pode até deixar os fascistas #xatiados, mas é completamente insuficiente para nós. É preciso que se organize a segurança da manifestação!

Temos que rechaçar os setores de direita e ampliar as lutas dos movimentos sociais, como já aconteceu hoje no ato que expulsou o Caveirão da Maré (noticiado pelo Observatório de Favelas), e no ato do MPL na periferia de São Paulo. Então, chamamos tod@s a participarem das manifestações marcadas e a se somarem ao Fórum Contra o Aumento!

3 comentários:

  1. Acho que vc deveriam conter o histerismo nas avaliações. Já é um bom começo. Antes era com o "dispositivo revolucionário", depois com o "facismo", com o "lúmpem mobilizado pela direita", fazendo coro com a direita e a teoria das "classes perigosas" e outras bizarrices. Qual vai ser a próxima?

    ResponderExcluir

  2. Zé,

    realmente temos tido muitos problemas com algumas caracterizações e análises unilaterais. Os acontecimentos das últimas semanas têm tido viradas bruscas, muito desiguais, com um ritmo acelerado. Nós, um núcleo muito pequeno de militantes, temos tentado dar conta da tarefa de analisar o que está acontecendo, e é inevitável que a gente cometa erros.

    Nós já fizemos autocrítica da caracterização de golpe iminente, da qual parece que você está falando quando menciona o "dispositivo revolucionário" (na verdade, a gente falou em "operativo reacionário"). Essa caracterização foi postada sem a discussão que era exigida no CL, e nós vamos publicar a autocrítica ainda essa semana.

    Quanto à caracterização de fascismo e da constatação de que a polícia tolerou que bandidos fizessem saques e arrastões durante algumas manifestações, são simplesmente o que vimos nas manifestações desde terça-feira em São Paulo. Fascismo é violência organizada da classe dominante para quebrar o movimento dos trabalhadores. Queimar as bandeiras e atacar fisicamente os militantes de esquerda não é isso? Você pode ver vários vídeos sobre a violência aleatória e roubos praticados dentro das manifestações por elementos do lumpesinato, isso é um fato.

    Esperamos realmente começar a entender mais sobriamente o que está acontecendo na conjuntura nacional. Não podemos prometer que nunca mais vamos fazer uma caracterização errada, mas estamos aprendendo com os nossos erros e com a nossa reflexão coletiva.

    Sempre que você quiser, você pode criticar as nossas análises. Dependendo do tamanho, a gente inclusive transforma numa postagem pra debate.

    Saudações Comunistas!

    ResponderExcluir
  3. Belza, rs. Eu acho que a parada agora é proseguir nas pautas e avançar com o que é paupável, como o tarifa zero e contra as remoçoes e a violencia policial. Se a coisa avançar daí, dá pra contar. O problema da caracterização de lumpém é dar coro pra um ambiente de criminalização e estigmatização do povo de favelas que ainda ta um pouco alheio às mobilizações, no sentido de dar a direção e pauta. E não pq querem, mas exatamente por conta da criminalização.

    ResponderExcluir

Mais lidas nesse mês:

Mais lidas do blog:

SEGUIDORES