QUEM SOMOS NÓS

Minha foto
Somos uma organização marxista revolucionária. Procuramos intervir nas lutas de classes com um programa anticapitalista, com o objetivo de criar o Partido Revolucionário dos Trabalhadores, a seção brasileira de uma nova Internacional Revolucionária. Só com um partido revolucionário, composto em sua maioria por mulheres e negros, é possível lutar pelo governo direto dos trabalhadores, como forma de abrir caminho até o socialismo.

quinta-feira, 27 de junho de 2013

Cinco mil pessoas no ato contra Cabral e Paes: vitória da frente antifascista!


No Rio de Janeiro, depois da plenária de terça, os partidos e movimentos sociais garantiram o ato mais à esquerda do dia no país. O conteúdo das reivindicações foi claramente progressivo, atacando a prioridade dada pelos governos (federal, estadual e municipal) à Copa, ao mesmo tempo em que sucateam a saúde e a educação. Foi defendida a estatização do sistema de transportes, assim como a tarifa zero e contra os subsídios para a FETRANSPOR.

Quase não havia bandeiras verdeamarelas e o hino nacional dos senhores de escravos não foi cantado em nenhum momento. Quase não existiam setores organizados de extrema-direita, o que mostra que eles são insignificantes, e só conseguem ter alguma influência se apoiando na campanha reacionária da mídia. Não por acaso, a Globo foi hostilizada com a palavra de ordem "a verdade é dura, a Rede Globo apoiou a ditadura".

Mesmo assim, a maioria das grandes organizações teve uma política recuada, e a ida até a ALERJ e o conteúdo claramente socialista do ato foi dado pela base e pelos pequenos grupos, como o MEPR, os anarquistas e nós. O PSOL e o PCR ficaram com #medinho e não levaram as próprias bandeiras, mesmo num ato assim. O PSTU nem mesmo foi até a ALERJ, tendo ficado na Cinelândia, mesmo com toda a massa do ato indo.

Não havia correlação de forças pra partir pro enfrentamento, ainda mais porque a polícia cercou o ato por todos os lados, com centenas de policiais. Até mesmo houve a presença hipócrita de mulheres policiais distribuindo panfletos pela "paz" e contra o "vandalismo", o que mostra não só o machismo da polícia (reforçando o estereótipo da mulher "delicada") como também o fato de que as passeatas ganharam o amplo apoio da população, o que obriga a própria PM a recuar e tentar usar de outros meios além da violência.

Temos que massificar as manifestações de esquerda, mantendo a frente antifascista, que é o instrumento dos trabalhadores para disputar politicamente a conjuntura nacional com os atos da direita. Participe da Plenária contra o Aumento e da Juventude em Luta!

13 comentários:

  1. Foi muito bom, tinha uma bandeira do PCR mas vi poucos militantes do mesmo!

    ResponderExcluir

  2. O que a gente viu foi bandeira da UJR (tendência estudantil do PCR).

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. http://www.rebeliao.org/quem-somos/

      Excluir
  3. Aqui em SP só vi bandeiras da AJR também!

    ResponderExcluir
  4. Faltou mais decisão nas bandeiras. A confusão em torno da proposta para o movimento é clara. O maior exemplo é a tarifa zero. Enquanto vejo grupos indo contra o tarifa zero por ser "reformista", como se estatização também não fosse, vi ontem no carro de som o pessoal gritar "Se a tarifa não zerar a cidade vai parar!" e "Estatizar, pro preço da tarifa baixar", que é quase lutar por um preço "justo" da passagem.
    Claro, sem falar no rodo clássico do carro de som, que não deixam independentes falar. E ainda com palavras de ordem/agitação totalmente ocas e sem denunciar o cerne do problema

    ResponderExcluir
  5. Tinha te perguntado pelo perfil, mas já encontrei a resposta.

    ResponderExcluir
  6. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  7. Com a desculpa de só poder falar entidades e movimentos, impediram de falar muitos manifestantes independentes. Ao mesmo tempo, vi eles deixando falar um rapaz com a bandeira do Brasil, discurso inflamado nacionalista e pedindo contra a PEC 37, fora Dilma, etc. Pelo que entendi, o PSTU e PSOL tem mais problemas em deixar um setor de esquerda que caminha independente do que o nacionalismo extremado, que talvez seja agora reconhecido formalmente como movimento.

    ResponderExcluir

  8. Zé,

    sobre a burocratização do carro de som, a gente concorda com você, realmente faltou essa crítica na postagem.

    Mas sobre a questão da tarifa zero, a gente conversou sobre isso contigo no ato, parece que você teve uma discussão com um militante da LER sobre o assunto. Nós temos acordo contigo e queremos fazer uma proposta. O que você achar de editar a discussão ou usar ela como base pra fazer uma postagem específica sobre o assunto aqui no blog? Se você tiver disponibilidade de tempo, seria muito interessante, porque muitas críticas sobre a tarifa zero ou são sectárias ou não entendem direito do que se trata.

    ResponderExcluir
  9. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  10. Então, segue aí um doc. com o cara que "criou" o tarifa zero, não sei vai vai ajudar muito mais taí:


    https://www.youtube.com/watch?v=lnHt0J-OI7U


    Tem também o documentário Impasse:

    https://www.youtube.com/watch?v=_IIoD1YPG6U



    Cartilha, nunca é lá um material interessante, mais segue uma sobre o tarifa zero:

    http://issuu.com/tarifazerosp/

    ResponderExcluir
  11. Pode ser, CL. Mas acho que tem que ser algo bem editado. Como uma "perguntas, respostas, críticas e difamações sobre o tarifa zero". Pra ficar não algo muito pessoal, como a minha discussão com o militante da LER. De repente cabe rebater algumas confusões difundidas, intencionalmente ou não, sobre o tema mesmo. O brigado aí pra rosa, com os videos e materiais. Vai ajudar muito. De fato, a confusão em torno do tarifa zero, é que enquanto uns dizem que ela é reformista, outros dizem que ela é impossível. O que acontece é que ela é uma pauta progressista como qualquer outra, que agride o capital sem o destruir por completo. Mas a esquerda em geral tem que ter uma decisão rápida sobre defender essa pauta, pq ela é um projeto paupável que é prontamente atacado pelo capitalismo. Essa hipocrisia é tão grande que o militante da LER se calou quando eu perguntei "se você defende estatização e é contra o tarifa zero por ser reformista, por que defendeu a redução das passagens, já que é algo mais liberal do que o tarifa zero?". Em outra lógica, já uma militante da causa indígena tava atacando o tarifa zero por ser algo "impossível", aí eu perguntei sobre a pauta de reforma agrária e demarcação de terras indígenas, que também são impossíveis no sistema atual. Prontamente ela disse que é diferente, mas quando eu perguntei por quê ela disse que não sabe. Eu disse que sei, que é pq a luta no campo tá longe e é fácil defender uma pauta distante numa posição segura. Agora, lutar contra as empresas e o latifundio urbano é aqui e agora, é o estado de exceção que fica só na favela descer para universo real, que é quando o bicho pega. Na minha opinião, tanto a posição sectária quanto a conservadora nega um enfrentamento real, que usam de todos os argumentos necessários contra uma luta concreta, como o tarifa zero.

    ResponderExcluir
  12. Um site para esclarecer alguns pontos e o do tarifa zero:

    http://tarifazero.org/

    ResponderExcluir

Mais lidas nesse mês:

Mais lidas do blog:

SEGUIDORES