QUEM SOMOS NÓS

Minha foto
Somos uma organização marxista revolucionária. Procuramos intervir nas lutas de classes com um programa anticapitalista, com o objetivo de criar o Partido Revolucionário dos Trabalhadores, a seção brasileira de uma nova Internacional Revolucionária. Só com um partido revolucionário, composto em sua maioria por mulheres e negros, é possível lutar pelo governo direto dos trabalhadores, como forma de abrir caminho até o socialismo.

domingo, 1 de setembro de 2013

Precisamos de um movimento contra a intervenção imperialista na Síria!

Até agora, os governos dos Estados Unidos, Grã-Bretanha e França já se manifestaram a favor da intervenção militar na Síria. Se ela ainda não aconteceu, é porque a Rússia e a China estão pressionando, através do Conselho de Segurança da ONU, porque apoiam o governo de Bashar Al-Assad, e querem chegar a uma solução negociada entre as potências que mantenham áreas de influência política e econômica para todas elas.
Ao mesmo tempo, todos esperam que os inspetores da ONU deem o seu laudo sobe a autoria do ataque com armas químicas que matou mais de 1400 pessoas no começo da semana. As fotos de crianças mortas sensibilizaram milhões de pessoas no mundo.
Se formos pensar friamente, é difícil achar que o atentado foi feito pela ditadura de Assad, que já está ganhando a guerra civil, e que sabe que o uso de armas químicas seria usado imediatamente como pretexto pelos países imperialistas atacarem a Síria. O mais provável é que tenha sido um atentado de falsa bandeira dos setores da oposição diretamente ligados ao imperialismo, ou seja, o Exército Livre da Síria (ELS) e o Conselho Nacional Sírio (CNS).
Mesmo que a Rússia e a China estejam tentando uma solução diplomática, o risco de uma intervenção militar é muito grande. Por isso chamamos os companheiros do PCB, PCO e de todos os setores que são contra isso a organizarmos juntos uma manifestação no Rio de Janeiro, para popularizar a solidariedade internacionalista e denunciar mais essa guerra.

A guerra civil na Síria
 
Bashar Al-Assad chegou à presidência da Síria em 2000, depois de trinta anos de governo do seu pai, Hafez Al-Assad. O regime do Partido Socialista Árabe Baath (Ressurreição), que começou em 1963, passou pelo mesmo processo que o nacionalismo burguês, no mundo inteiro: começou como uma resistência parcial ao imperialismo para a colaboração com ele, depois do esgotamento das economias nacionais e o clima político desfavorável aberto com a restauração capitalista na ex-URSS. 
Em março de 2011, seguindo a Tunísia e o Egito, os setores mais pobres do povo sírio começaram um movimento pela democracia, que foi reprimido violentamente por Assad. Uma parte do exército sírio desertou, formando o ELS, com o apoio da Arábia Saudita e do Qatar. Com isso, começou uma lenta transformação da rebelião popular numa guerra civil, em que os dois lados são ligados ao imperialismo (como falamos, Assad recebe apoio político e armas da Rússia e da China).
Pior ainda, como a maioria da população é muçulmana sunita e a família Assad é alauíta (uma dissidência do xiismo), a guerra civil tomou contornos religiosos. A maior organização dentro do CNS é a Irmandade Muçulmana, e outros setores salafistas (ou seja, extremistas sunitas que querem criar um Estado baseado na Charia, as leis religiosas islâmicas medievais) se incorporaram à guerra, entre eles a Al Qaeda.
Isso leva as minorias religiosas da Síria (alauítas, xiitas e cristãos) a apoiarem o governo, não porque concordem com ele, mas porque têm medo de que a vitória dos setores fundamentalistas leve ao massacre total. O Hizbollah (Partido de Deus), que está lutando na guerra civil, e o governo do Irã, ambos xiitas, também apoiam Assad, porque veem que, se os EUA conseguirem um governo favorável a eles na Síria, o Irã será o próximo alvo.
A atitude do PSTU, do Enlace/PSOL, MES/PSOL e CST/PSOL e MRS, que defenderam a derrubada do Assad independente de quais forças fossem assumir o governo é uma capitulação vergonhosa ao imperialismo americano e europeu. Pior ainda é o caso do PSTU, que exigiu abertamente que os governos imperialistas armassem a oposição. Eles não têm moral nenhuma para derramar lágrimas de crocodilo contra a intervenção, e nem têm lugar numa frente única antiimperialista.
A solução a longo prazo para conquistar a democracia, a separação entre Estado e religião, os direitos das mulheres e das minorias religiosas depende da destruição da base do poder da família Assad, ou seja, a expropriação da burguesia síria e a quebra dos laços com os imperialismos, seja dos EUA, da União Europeia, da Rússia ou da China. A história mostrou que uma ruptura tão radical só pode ser feita por uma revolução socialista.
- Contra a intervenção imperialista!

- Nenhum apoio ao governo Assad!

- Pela Federação Socialista do Oriente Médio!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Mais lidas nesse mês:

Mais lidas do blog:

SEGUIDORES