QUEM SOMOS NÓS

Minha foto
Somos uma organização marxista revolucionária. Procuramos intervir nas lutas de classes com um programa anticapitalista, com o objetivo de criar o Partido Revolucionário dos Trabalhadores, a seção brasileira de uma nova Internacional Revolucionária. Só com um partido revolucionário, composto em sua maioria por mulheres e negros, é possível lutar pelo governo direto dos trabalhadores, como forma de abrir caminho até o socialismo.

terça-feira, 10 de dezembro de 2013

Perseguição política à professora Quelei, de Vassouras/RJ, e campanha Um POR TODOS, TODOS POR UMA (Comitê de Luta Classista)


Reproduzimos aqui a declaração e a moção dos companheiros do Comitê de Luta Classista do SEPE/RJ


A prof. Quelei é muito querida por seus colegas, pais e mães de alunos. Liderou várias greves na educação no município de Vassouras, antes da Abolição, uma fortaleza escravista no interior do Rio de Janeiro. Lá, apesar da beleza de suas palmeiras, ainda existe remanescentes da família Avelino, famosa por seus assassinatos serial killer em décadas passadas. A cidade também abriga um monumento em homenagem ao Quilombo Manuel Congo, o qual existiu na região por volta dos anos 1836/38.

Com fraquíssima classe operária organizada no município, o Sepe É O SINDICATO!

Chama a atenção dos oprimidos e explorados da cidade. Neste ano, antes das jornadas de junho, o Sepe- Vassouras, Quelei e Jeneci lideraram uma greve com muitas conquistas , particularmente para as merendeiras  e os que ainda não eram classificados no plano de carreira. Eis porque o prefeito e seu secretariado e a maioria da vereança querem criminalizar o Sepe. A demissão sumária das concursadas, Quelei e Jeneci estão neste contexto.

Temos dito que os sindicatos municipais e estaduais em São Paulo e no Rio, por exemplo, são potências proletarizadas que devido a seu contato e liderança entre os alunos, pais e mães, por estarem também presentes nos locais mais longínquos ao redor do país, possuem monumental capacidade potencial de falar, ajudar e fazer rebelar toda essa multidão de homens, mulheres, negros e brancos pobres, de todas as idades, contra o poder público.

Por estas e outras tantas razões, no espírito de UM POR TODOS E TODOS POR UM, o Comitê de Luta Classista vem fazendo a campanha.  Devemos ser ágeis e eficientes quando uma lutadora dessa categoria em sua maioria feminina é perseguida, ou mais grave ainda, tombada na luta ou é perseguida pelo Estado burguês.

Quelei vem mobilizando a comunidade escolar em torno de seu caso.  Chega serem comoventes os apoios que tem recebido, particularmente de seus alunos, crianças ainda.

 Sua perseguição é reincidente. Na gestão passada a administração desta cidade com resquícios de escravidão, também a perseguiu. Conseguimos derrotá-la.

Agora uma nova perseguição: a demitiram sumariamente sem direito a defesa e ainda a colocara exposta ao ridículo perante uma seção na Câmara onde as “autoridades” estavam presentes. Buscaremos todos os meios para mais uma vez derrotarmos os atuais descendentes de escravistas de plantão na Prefeitura e Câmara de Vereadores de Vassouras.


Um por todos e todos por uma!


Moção de Solidariedade

A professora Quelei Cristina de Oliveira, há mais de onze anos lotada na rede municipal de Vassouras, vem sofrendo brutal assédio moral em virtude de ter feito diversas greves, principalmente a de 2013 e por ter recusado a lecionar em sala de aula não contemplada pela climatização. Ela e seus alunos estavam expostos a um “forno”. Sua recusa desencadeou uma brutal perseguição articulada pelo prefeito municipal Renan Vinicius Santos de Oliveira (PSB) e seus secretários. Perseguição esta que culminou na sua demissão, sem que a mesma tivesse amplo direito de defesa. Ela só soube de sua exoneração/demissão bem depois do processo ter sido montado. O espetáculo contou até com a execração pública em uma das sessões na Câmara de Vereadores.

Isto lembra os processos pelos quais o SEPE como entidade vem passando: multas milionárias, tentativa de cassar o registro da entidade e criminalização dos ativistas da recente greve do magistério sul fluminense.

No entanto a professora Quelei é um exemplo na categoria, segue com assiduidade e qualidade os planos de aula, tendo recebido elogios de parte da direção da escola, de suas colegas de trabalho (professoras e funcionárias), de alunos, mães e pais, que inclusive fizeram abaixo assinado em sua solidariedade. Ela também é uma incansável militante na elaboração, participação nas greves da categoria, sendo a última vitoriosa.

Neste sentido sua perseguição/punição se insere no contexto da criminalização do SEPE e dos movimentos sociais.

Esta assembleia realizada dia 07 de dezembro de 2013 declara total solidariedade à companheira.

Exigimos sua imediata reintegração e o arquivamento de todos os processos movidos contra ela.

“Um por todos e todos por um”

Abaixo a criminalização do SEPE e dos movimentos sociais.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Mais lidas nesse mês:

Mais lidas do blog:

SEGUIDORES