QUEM SOMOS NÓS

Minha foto
Somos uma organização marxista revolucionária. Procuramos intervir nas lutas de classes com um programa anticapitalista, com o objetivo de criar o Partido Revolucionário dos Trabalhadores, a seção brasileira de uma nova Internacional Revolucionária. Só com um partido revolucionário, composto em sua maioria por mulheres e negros, é possível lutar pelo governo direto dos trabalhadores, como forma de abrir caminho até o socialismo.

terça-feira, 2 de novembro de 2010

Repressão contra relação homossexual é aplaudida pelo Fantástico (Rede Globo)

Defender Critiane Barreiro! Contra a intervenção do Estado em relações sexuais consensuais! Libertação sexual através da revolução socialista!
Por S. Severo

Na última quarta-feira, a professora de Matemática Cristiane Barreira foi presa por envolvimento sexual com uma estudante de 13 anos. A mãe da menina falou que levou a denúncia várias vezes à escola, mas só semana passada uma atitude concreta foi tomada: a prisão da professora, que pode ter uma pena de 15 a 20 anos, por corrupção de menores e estupro presumido.

Várias questões se entrelaçam nesse caso. Como comunistas, nosso dever é explicar porque a mídia, que tolera que milhares de crianças morram nas cracolândias, fez tanto escarcéu por causa de uma relação que, segundo é admitido por todas as partes, é consensual.

Em primeiro lugar, os meios de comunicação dão tanto destaque a este caso - que só interessa às pessoas envolvidas nele - para "disciplinar" a juventude, ensinando a reprimir a sua sexualidade. E isso é feito no caso, quase sempre, de jovens da classe trabalhadora - porque a burguesia tem o o dieito de transar com quem quiser - num padrão que também se repete, por exemplo, no discurso moralista contra o funk pornográfico.

Assim, fica claro o papel da sexualidade - e de tudo o mais que não signifique trabalhar sem parar - dentro do capitalismo: ela é tolerada, e até estimulada, desde que seja dentro de relações comerciais.
Nós comunistas criticamos a mercantilização do sexo, não como os stalinistas, que querem suprimí-lo mais ainda nas suas ditaduras burocráticas (considerando a sexualidade não-heterossexual como "desvio pequeno-burguês"), e sim porque ela impede que o sexo seja liberado das restrições morais que só servem para aumentar ainda mais o controle sobre os indivíduos.

Além disso, o caso mostra a flagrante homofobia: várias meninas têm casos com professores, e isso tudo teria passado despercebido se Cristiane fosse homem. Aliás, com 13 anos, grande parte d@s adolescentes já tem vida sexual ativa, o que mostra que a hipocrisia da história toda é pelo caso ser homossexual. A homofobia, assim como o racismo e o machismo, só divide os trabalhadores, e cria condições - como nessa situação - para fortalecer o discurso dos setores conservadores que dominam a sociedade. O que é mais verdade ainda logo depois de um segundo turno eleitoral em que ambos os candidatos ficaram na mão de setores evangélicos e católicos fundamentalistas, que se preparam, a médio prazo, para lutar pelo poder.

Finalmente, o caso mostra o papel da legislação reacionária e da intervenção estatal na sexualidade. Mesmo a relação tendo sido consensual, ela é considerada estupro - mesmo que a menina esteja numa idade em que tantos jovens já têm vida sexual. Nós somos contra toda a intervenção da burguesia e de seu Estado na vida pessoal das pessoas. Defendemos a herança revolucionária da própria burguesia, na Revolução Francesa, que ela própria nega hoje em dia, em relação à liberdade individual.

Por isso, defendemos Cristiane e sua namorada contra a internvenção do Estado em suas vidas particulares, e achamos necessário que os meios de comunicação sindicais e do movimento em geral denunciem esse caso de homofobia e repressão sexual a serviço do capitalismo!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Mais lidas nesse mês:

Mais lidas do blog:

SEGUIDORES