QUEM SOMOS NÓS

Minha foto
Somos uma organização marxista revolucionária. Procuramos intervir nas lutas de classes com um programa anticapitalista, com o objetivo de criar o Partido Revolucionário dos Trabalhadores, a seção brasileira de uma nova Internacional Revolucionária. Só com um partido revolucionário, composto em sua maioria por mulheres e negros, é possível lutar pelo governo direto dos trabalhadores, como forma de abrir caminho até o socialismo.

domingo, 18 de novembro de 2012

Como escrever um panfleto?


O panfleto é a forma mais básica de comunicação militante. É a forma mais direta de denunciar alguma coisa, convocar para um ato ou reunião, explicar uma campanha etc. Essa postagem é uma pequena dica tanto para os militantes mais novos, como também para os antigos que não têm muita prática de escrever. A maioria das organizações deveriam fazer mais atividades de formação sobre isso, mas acabam concentrando a produção dos materiais nas mãos de poucos dirigentes.

Em primeiro lugar, o panfleto é um instrumento de agitação. Ou seja, trazer poucas ideias para muitos. Por isso, ele deve ser simples e direto. Deve ter figuras, para atrair a atenção dos leitores. E não deve ser maior que um papel A4 (ou meio, frente e verso). As letras devem ser grandes, tamanho 12 ou 14, porque a dificuldade de leitura tira o interesse de quem está lendo. 

A linguagem deve ser simples, adequada ao público-alvo, sem palavras que só são conhecidas por militantes de esquerda. Nós insistimos muito na linguagem ser popular, por dois motivos. Primeiro, porque facilita a comunicação direta com os trabalhadores. Depois, porque a linguagem rebuscada, em "esquerdês" acaba criando um tom elitista e pedante no panfleto, o que faz com que os trabalhadores de base ou vejam a organização como um monte de babacas pseudointelectuais ou como os "donos" do marxismo, reafirmando a separação entre trabalho manual e intelectual.  

Um panfleto para o movimento sem-teto não pode ter a mesma linguagem que um para o movimento secundarista. E um feito para um sindicato operário não pode ter a mesma linguagem de um feito para estudantes universitários ou sem-terras.


Vamos fazer um modelo básico das partes de um panfleto, com uma pequena explicação sobre elas.


- Título (deve chamar para a atividade, com data, hora e local)

- Situação (como Trotsky disse, falando quem, o quê, quando e como alguma coisa aconteceu, que é o motivo do panfleto) 

- Ligação da situação geral com a específica (diferente dos panfletos escritos pelos reformistas, é aqui que explicamos como o problema específico está ligado com o sistema capitalista, por exemplo mostrando que o aumento das passagens é pra dar lucro para as empresas privadas, que financiam o governo, ou que o extermínio dos guaranis é provocado pelo latifúndio, que sempre foi a base da sociedade brasileira etc) 

- Fala sobre o movimento de resistência contra a situação, quem está participando, e da necessidade de todos participarem (se existir uma polêmica no movimento, o melhor é escrever um material específico sobre isso, e no máximo mencionar a polêmica no panfleto, senão fica aquele tipo de panfleto que só ataca os outros grupos. Geralmente, esse tipo de material afasta as pessoas)

- Indica as palavras de ordem e detalha a atividade que vai acontecer. Geralmente, é bom essa parte ter o mesmo tamanho do título, ou um pouco menor.


É claro que isso é um modelo, pra facilitar a escrita. Modificações podem e devem ser usadas, dentro do estilo da cada um.

Aqui está um bom exemplo de panfleto que a gente fez, usando esse modelo.
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Mais lidas nesse mês:

Mais lidas do blog:

SEGUIDORES