QUEM SOMOS NÓS

Minha foto
Somos uma organização marxista revolucionária. Procuramos intervir nas lutas de classes com um programa anticapitalista, com o objetivo de criar o Partido Revolucionário dos Trabalhadores, a seção brasileira de uma nova Internacional Revolucionária. Só com um partido revolucionário, composto em sua maioria por mulheres e negros, é possível lutar pelo governo direto dos trabalhadores, como forma de abrir caminho até o socialismo.

terça-feira, 1 de junho de 2010

ISRAEL ATACA FROTA DE AJUDA HUMANITÁRIA À GAZA

No último dia 31 de maio uma frota que levava medicamentos e diversos suprimentos para a Faixa de Gaza foi atacada por forças militares de Israel. O saldo do ataque foram 19 mortos e quase 70 feridos entre a tripulação da “Frota da Liberdade”, organizada majoritariamente por uma ONG turca.

Desde a Guerra dos Seis Dias, ocorrida em 1967, a burguesia de Israel vem mantendo um forte cerco terrestre e aéreo à Gaza, que posteriormente foi fortalecido pelo apoio do Egito (tudo com o aval do imperialismo norte-americano). Tal bloqueio foi iniciado e é mantido até hoje no intuito de enfraquecer cada vez mais as resistências armadas existentes na região palestina e favorecer a política sionista e genocida de eliminação dos árabes da região. Mas tal política nada mais é do que o encobertamento de uma disputa econômica pelo território em questão, que possui acesso privilegiado ao Mar Mediterrâneo e, claro, a diversos poços de petróleo.

O ataque covarde do exército israelense aos barcos de ajuda humanitária gerou intensos protestos em diversas capitais européias e em alguns locais do Oriente Médio, com ao Turquia. Da mesma forma, alguns diplomatas e líderes de governos fizeram declarações duríssimas ao governo de Israel, que alega ter apenas “se defendido” do ataque de alguns tripulantes que empunhavam cadeiras e barras de ferro (!!!), declarando ainda que estava em seu direito de interceptar toda e qualquer embarcação que adentrasse o território de Gaza sem autorização israelense (de acordo com notícia publicada no Portal Terra em 01/06).

Nós do Coletivo Lenin acreditamos que a única saída para os conflitos que assolam os trabalhadores israelenses e palestinos é a construção de um partido revolucionário dos trabalhadores, composto em sua maioria por mulheres, o setor superexplorado da classe trabalhadora árabe e judaica. A maior tarefa de um partido assim será mobilizar os trabalhadores da Palestina e de Israel para derrotarem suas burguesias e criarem um Governo direto binacional dos trabalhadores, fruto de uma revolução socialista.

Para saber mais sobre o assunto, leia as Teses sobre o Oriente Médio na seção de Teoria de nosso site.

Nossos camaradas da seção canadense da Tendência Bolchevique Internacional (TBI) em ato realizado no dia dos ataques.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Mais lidas nesse mês:

Mais lidas do blog:

SEGUIDORES