QUEM SOMOS NÓS

Minha foto
Somos uma organização marxista revolucionária. Procuramos intervir nas lutas de classes com um programa anticapitalista, com o objetivo de criar o Partido Revolucionário dos Trabalhadores, a seção brasileira de uma nova Internacional Revolucionária. Só com um partido revolucionário, composto em sua maioria por mulheres e negros, é possível lutar pelo governo direto dos trabalhadores, como forma de abrir caminho até o socialismo.

domingo, 27 de junho de 2010

O caminho final da degeneração stalinista

O Partido Comunista do Brasil (PCdoB) é a expressão perfeita do resultado programático à que levou os anos e anos de degeneração stalinista. Partido-suporte da Frente Popular de Lula com os empresários, cumpre no movimento operário e estudantil um desserviço à luta revolucionária da classe trabalhadora, burocratizando as entidades que controla como forma de fugir ao confronto político e desviando todo e qualquer processo que ponha em xeque o papel nefasto que o PT vem cumprindo em 8 anos de governo no planalto central.

A própria fóruma de governo de frente popular, que alia setores degenerados da classe trabalhadora ao grande capital e que foi criada como forma de desviar para a institucionalidade os intensos processos que surgiram na Europa após a Segunda Guerra Mundial é em si uma criação do stalinismo em sua última fase.

A mais recente prova de tamanha degeneração à que chegou o PCdoB foi a aprovação, em sua convenção regional ocorrida no último sábado no Rio de Janeiro, do apoio à reeleição do atual governador do estado, Sérgio Cabral (PMBD). Como um partido que se diz representante da classe trabalhadora e do comunismo pode apoiar um representante da burguesia que leva à cabo um política de extermínio da população pobre e negra das favelas e que atualmente tem dado todo o apoio ao prefeito do Rio, Eduaro Paes (também PMDB) em sua cruzada pela remoção de diversas favelas como forma de favorecer a especulação imobiliária e a máfia das empresas ligadas ao turismo? Apenas um estudo histórico e programático que mostre como o stalinismo nunca pertenceu ao campo revolucionário é capaz de responder tal pergunta.

Sugerimos a todos os interessados em se aprofundarem nessa discussão a lerem o nosso mais recente artigo sobre o stalinismo, "As consequências do stalinismo: o retrocesso nacionalista do movimento operário", presente na seção de Teoria de nosso site e também na edição mais recente do Jornal Hora de Lutar (nº17).

Um comentário:

  1. concordo com a degeneração do PCdoB. Acredito que o partido vai a reboque do PT, por puro oportunismo. Agora, quanto a dizer que esse partido segue a linha stalinista, prefiro me abster. Também acredito ser um pouco de arrogância dizer que o Stalinismo nunca pertenceu ao campo revolucionário, me parece um tipo de revoltismo. Mas, também não posso condenar o pensamento subjetivo de quem quer que seja. Quanto a aliança macabra com o PMDB, de fato foi o cúmulo da submissão a política captulacionista do PT. Sou camelô e sinto na pele o reacionarismo de Eduardo Paes e sua guarda municipal.
    abraços

    ResponderExcluir

Mais lidas nesse mês:

Mais lidas do blog:

SEGUIDORES