QUEM SOMOS NÓS

Minha foto
Somos uma organização marxista revolucionária. Procuramos intervir nas lutas de classes com um programa anticapitalista, com o objetivo de criar o Partido Revolucionário dos Trabalhadores, a seção brasileira de uma nova Internacional Revolucionária. Só com um partido revolucionário, composto em sua maioria por mulheres e negros, é possível lutar pelo governo direto dos trabalhadores, como forma de abrir caminho até o socialismo.

quarta-feira, 17 de agosto de 2011

Unir os trabalhadores das estatais e servidores públicos! Derrotar o plano de arrocho do governo Dilma!

    Temos que nos preparar para uma guerra! As delcarações recentes de Dilma são claras. O governo do PT com os partidos de direita só tem a oferecer aos trabalhadores a reposição da inflação. Sendo que eles ainda usam como o índice da inflação um valor totalmente rebaixado de 4,5%.

    Por isso, vários setores do funcionalismo federal já entraram em greve. Em setembro, é a vez dos bancários e petroleiros, que mobilizam muitos trabalhadores das estatais. A nossa resposta tem que ser clara: uma campanha salarial unificada, pela reposição de todas as perdas dos governos do PT!

    Essa campanha deve também se estender aos terceirizados do serviço público. Na maioria, eles são mulheres e negros. O machismo, o racismo e a exploração tornam a sua situação de trabalho ainda pior. E a possibilidade de demissão faz com que eles sejam chantageados para furar greve.

   A greve do SEPE, que só conseguiu 5%, mostrou que não é possível vencermos estando isolados. Além disso, mostrou que as direções da Intersindical e da CSP-Conlutas, mesmo com todo o discurso radical, acabam entregando o ouro ao bandido quando a greve sofre uma pressão maior do Estado.
  
E justamente essas centrais organizam a maior parte do setor público, já que a CUT está totalmente desacreditada, por causa do seu apoio ao nosso patrão, o governo.

  Por isso, a nossa luta vai ser longa, e não vai ser fácil. O dinheiro que o governo deu para as grandes empresas no começo da crise tem que ser reposto. Por isso, eles querem negar qualquer valorização dos salários e da carreira dos trabalhadores.
  
Mas nós já começamos a nos levantar. Para avançar ainda mais, temos que ser firmes no combate ao governo e das direções sindicais vendidas. Por isso, precisamos criar oposições classistas na base de todas as centrais, para lutar contra a exploração e o sistema que se alimenta dela, o capitalismo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Mais lidas nesse mês:

Mais lidas do blog:

SEGUIDORES