QUEM SOMOS NÓS

Minha foto
Somos uma organização marxista revolucionária. Procuramos intervir nas lutas de classes com um programa anticapitalista, com o objetivo de criar o Partido Revolucionário dos Trabalhadores, a seção brasileira de uma nova Internacional Revolucionária. Só com um partido revolucionário, composto em sua maioria por mulheres e negros, é possível lutar pelo governo direto dos trabalhadores, como forma de abrir caminho até o socialismo.

sexta-feira, 15 de junho de 2012

Liberdade para os presos políticos da unifesp! (Declaração do Espaço Socialista)




 

Na noite da quinta-feira 14 de junho a polícia militar prendeu 26 estudantes da UNIFESP (Universidade Federal de são Paulo) de Guarulhos, que realizavam um ato pacífico dentro do campus da Universidade (segue ao final relato dos acontecimentos por uma estudante que estava no local). Já no sábado anterior 43 estudantes haviam sido detidos ao serem removidos da reitoria onde estavam ocupados em protesto contra as precárias condições da universidade.

Mas dessa vez a repressão foi longe demais: os estudantes detidos estão sendo levados pela Polícia Federal diretamente para a penitenciária (o “cadeião” de Pinheiros), sem sequer terem fixada a fiança. Além disso, os estudantes estão sendo acusados de “formação de quadrilha”, pois alguns deles seriam reincidentes da detenção anterior.

Não vemos o mesmo rigor da Polícia Federal quando se trata de figuras como Carlos Cachoeira, Demóstenes Torres, Marconi Perillo, etc. Qual será a quadrilha que causa mais prejuízo ao país?

Os estudantes não são criminosos, são ativistas que estão em luta contra a degradação da educação universitária, nas mãos do governo Dilma. A situação da UNIFESP é calamitosa: faltam salas de aula, refeitório, laboratório, verbas, moradia estudantil, etc. Essa situação é resultado do projeto de reforma universitária (REUNI) dos governos Lula/Dilma, que retiram verbas da educação pública para entregar aos empresários da educação privada (PROUNI). Esse método é coerente com o programa geral do governo, que gasta uma porcentagem ínfima com a educação e destina praticamente metade do orçamento ao pagamento da dívida pública aos especuladores.

Para garantir a aplicação desse programa que beneficia os empresários, banqueiros e especuladores, o governo precisa impedir toda contestação organizada. O governo não pode fazer nenhuma concessão aos trabalhadores, porque isso comprometeria os seus planos de concentrar os gastos públicos em favor de interesses particulares. Por isso as greves e movimentos reivindicatórios têm sido tratados como caso de polícia.

A repressão ataca indiscriminadamente, por mais que as reivindicações sejam justas, como é o caso da atual greve dos professores, funcionários e estudantes das universidades federais. A resposta para as reivindicações tem sido o autoritarismo, a brutalidade policial, as prisões arbitrárias, processos judiciais e administrativos, etc. A “democracia” mostra a sua verdadeira face: a liberdade de expressão está garantida, desde que não se expresse aquilo que realmente importa.

Chamamos a todas entidades do movimento estudantil, sindical e popular e todas as organizações da classe trabalhadora a construir uma luta unitária pela liberdade dos presos políticos! Os estudantes da UNIFESP não podem ficar isolados e precisam de todo apoio. A repressão que ataca um setor do movimento ataca a todos! Somente através da luta unitária poderemos barrar os ataques contra os direitos e as condições de vida dos trabalhadores!

Liberdade para os presos políticos!

Contra a repressão aos movimentos sociais!

Pela retirada dos processos contra os estudantes perseguidos!

Pelo atendimento de todas as reivindicações dos grevistas!

Por uma universidade pública, gratuita e de qualidade a serviço dos trabalhadores!

Espaço Socialista


Relato de aluna da UNIFESP sobre a ação policial VIOLENTA que culminou na prisão de 26 ESTUDANTES que serão encaminhados para PENITENCIARIAS em breve:

"Hoje levaram mais 26 estudantes da UNIFESP pra delegacia federal, na lapa. Em menos de uma semana essa é a segunda vez que a PM entra no campus de humanas ao mando de um prof. e da reitoria pra reprimir a nossa greve que já dura mais de 80 dias.

Fui uma dos 46 estudantes detidas na semana passada por causa da ocupação da diretoria acadêmica do campus, tentaram nos calar com um termo circunstanciado, nos deram um chá de cadeira de 12 horas, passamos fome, dormimos no chão e recebemos ameaças de ficarmos presos até a audiência, mas não conseguiram.. e dessa vez agiram com MUITO mais violência..

Hoje foi feito uma assembleia intercampi e depois disso teve um ato no terminal Pimentas, perto da faculdade. Quando os alunos voltaram ao campus perceberam que o Diretor Acadêmico, Marcos Cezar, estava em sua sala e queriam explicações sobre o truculenta atitude de colocar a tropa de choque pra prender a gente semana passada, como ele não saiu, começaram a gritar palavras de ordem como: FORA MARCOS CEZAR.

Um prof., que não apoia o Movimento Estudantil chamou a polícia militar, alegando que íamos reocupar a diretoria, essa já chegou agressiva e ameaçou uma aluna que estava gritando: FORA PM DO CAMPUS, com as seguintes palavras: "Se vc gritar mais uma vez a gente vai descer a borracha". Dito e feito. A laisy gritou e 3 policias a pegaram, deram borrachadas e a colocaram dentro do camburão. Nisso começou a confusão e foi chamado mais reforços policiais, esses chegaram com bombas de gás lacrimogêneo e balas de borracha.

Tentaram dividir os alunos em dois grupos e sitiaram o campus, os alunos que tentaram se esconder nos fundos da faculdade foram pegos, algemados, colocados dentro de um onibus municipal e levados pra delegacia federal.

Algumas pessoas foram atingidas pelas balas.

Os que foram presos ficaram cerca de 40 minutos presos sozinhos no campus com a Polícia militar, pois tiraram algumas pessoas do campus e trancaram o portão da faculdade, quase que um cativeiro dentro de um espaço público

Estou no 1° ano da faculdade.. já fui detida junto com meus colegas do M.E da UNIFESP ,semana passada, por reivindicar que essa MERDA de REUNI seja algo melhor.

Agora meus colegas e companheiros foram agredidos, humilhados e estão na delegacia de novo. A mídia está nos abafando e ninguém nos apoia, não sei mais pra quem gritar. Como esperado, a midia burguesa não relata os verdadeiros fatos e criminaliza os estudantes.

É preciso nos manter unidos, apoiando os estudantes agredidos e denunciando a repressão. Peço para que, de forma individual ou coletiva (movimentos, entidades, instituições de direitos humanos) se solidarizem, ajudem a divulgar os fatos, precisamos de todo apoio possível, inclusive de advogados.”


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Mais lidas nesse mês:

Mais lidas do blog:

SEGUIDORES