QUEM SOMOS NÓS

Minha foto
Somos uma organização marxista revolucionária. Procuramos intervir nas lutas de classes com um programa anticapitalista, com o objetivo de criar o Partido Revolucionário dos Trabalhadores, a seção brasileira de uma nova Internacional Revolucionária. Só com um partido revolucionário, composto em sua maioria por mulheres e negros, é possível lutar pelo governo direto dos trabalhadores, como forma de abrir caminho até o socialismo.

quinta-feira, 18 de outubro de 2012

O PSOL virou um novo PT?


Já podemos fazer um balanço inicial das eleições passadas.

Em primeiro lugar, aconteceu um fortalecimento ainda maior tanto do PT como dos partidos governistas, especialmente o PSB. A direita tradicional (PSDB e DEM) perde cada vez mais espaço político, sendo completamente rejeitada pelo povo, que apoia o governo.

Se o Serra perder em São Paulo (o que é o mais provável), além da carreira política dele ser enterrada de vez (o que é ótimo!), será um golpe violento, de que talvez o PSDB nunca possa se recuperar.

Assim, a estratégia mais provável que os setores mais tradicionais das classes dominantes brasileiras vão tentar é criar novos partidos de direita, como o PSD, e tentar construir novas figuras públicas para disputar com o PT a médio e longo prazo. 

Ao mesmo tempo, na oposição de esquerda ao governo federal, o PSOL teve um grande crescimento, com grandes votações no Rio de Janeiro (28% com o Freixo), Fortaleza, Floripa etc. O partido conseguiu eleger a sua primeira prefeitura, em Itaocara/RJ. Teve um aumento expressivo no número de vereadores. Em duas cidades, foi para o segundo turno (Belém e Macapá).

O PSTU, depois de muitos anos, elegeu dois vereadores, Amanda Gurgel, em Natal, que se tornou um símbolo das lutas dos professores, e Cléber Rabelo, em Belém, por conta da aliança com o PSOL e o PCdoB, que já criticamos no nosso blog.


Repetindo o PT em Macapá e Belém

Mas alguns fatos preocupantes para a base socialista do PSOL têm acontecido nas campanhas: a APS, que é a maior corrente do partido, em todas as cidades em que tem a maioria da direção, está fazendo alianças que repetem  a velha prática petista de "vale tudo". Tudo isso é fruto das resoluções do congresso passado do PSOL, que deixaram a APS com as mãos livres, como criticamos aqui.

É o caso de Belém, numa aliança com o PCdoB, onde o candidato do PSOL, Edmilson Rodrigues, longe de ser uma referência de luta, já governou a cidade em dois mandatos, sempre junto com os empresários, e reprimiu greves dos servidores municipais. A frente eleitoral de Belém ainda foi financiada por uma empreiteira, a COGEP, comprometendo sua independência econômica.

Mas o pior é em Macapá, onde a aliança da candidatura a prefeito de Clécio Vieira inclui partidos da elite tradicional do estado, como o PPS e o PRTB, e chegou até a receber apoio do DEM!

Diante disso, 34 dirigentes do PSOL, incluindo o prefeito eleito de Itaocara, Gelsimar Gonzaga, e quase todas as correntes do partido (LSR, CST, CSOL, Enlace etc), fizeram uma nota sobre as alianças no segundo turno, exigindo uma reunião da Executiva do partido (em que eles são maioria) para rejeitar as alianças e sancionar ou até expulsar os responsáveis por elas. 
 
Temos que falar a verdade: a reação por parte das correntes da esquerda do PSOL foi tardia, porque essas alianças já existiam desde o primeiro turno. Mesmo assim, o presidente nacional do PSOL, Ivan Valente, também da APS, até o momento está usando o seu cargo para impedir burocraticamente que essa reunião aconteça.


O caso do PCB

O PCB se aliou com o PSOL na chapa para vereador em Macapá, mas não integrou a frente para prefeito. Isso gerou mais uma crise para o partido. O Comitê Central escreveu uma nota se distanciando da candidatura a prefeito, mas a realidade é que não faz sentido você apoiar um partido no mesmo lugar pra o legislativo, mas não para o executivo!

Isso pode até ser possível no papel mas, no mundo real, o que aconteceu é que o PCB fez um bloco com os vereadores do PSOL que sustentaram essa aliança com partidos burgueses! Mais uma vez, vemos que a direção do PCB não consegue superar a longa época reformista do partido, o que é uma tarefa necessária e desejada pelos militantes revolucionários que estão lá.


Qual deve ser a nossa atitude?

Diante de mais essa crise que o PSOL está vivendo, a atitude de algumas organizações é meter o dedo na cara dos militantes (até mesmo os da base, não só os burocratas responsáveis pela política oportunista, como Randolfe Rodrigues e Ivan Valente) e dizer: "viu só, essa merda é a mesma coisa que o PT!". 

Trotsky falou o seguinte sobre os sectários: "Os acontecimentos políticos são para eles ocasião de tecer comentários, mas não de agir". É essa a atitude desse tipo de organização, como se o partido revolucionário fosse ser formado a partir do crescimento dos grupos deles, de poucas dezenas de militantes!

Na verdade, ainda não existe partido revolucionário no Brasil, e os revolucionários estão dispersos em pequenos grupos e dentro das organizações maiores - entre elas, o PSOL. Onde houver luta pela independência de classe, temos que ajudar a desenvolver as lutas de quem está na linha de frente. Só fazendo isso, podemos esperar mais à frente a unificação dos revolucionários em um mesmo partido.

Por isso, nós do Coletivo Lênin apoiamos a luta dos companheiros dentro do PSOL contra a aliança em Macapá. Mas achamos que essa luta deve ir até a raiz do problema: a estratégia democrática e popular, de colaboração com setores da burguesia (para entender melhor a questão da estratégia democrática e popular, leia  nosso artigo). Na prática, isso quer dizer que os militantes socialistas da base do PSOL, se quiserem manter a independência do partido contra os empresários, precisam também:

- Rejeitar a aliança e o financiamento da candidatura de Edmilson Rodrigues em Belém. Caso contrário, voto nulo! Para o PSTU, que não precisa esperar pela deliberação dentro do PSOL, seria muito mais fácil: os militantes que são coerentes com o discurso do partido precisam lutar para que ele rompa com a aliança e chame voto nulo!

- Exigir que o governo de Itaocara seja baseado em Conselhos Populares, por local de moradia, e não na câmara de vereadores, controlada pela direita (o PSOL só conseguiu eleger um vereador dos 11 da cidade).

- Exigir a formulação de um programa de combate para as prefeituras, assumindo as bandeiras dos movimentos sociais. 
 

Conclusão

Então, como poderemos responder à pergunta do título? Simples: não, o PSOL AINDA não é um novo PT. Mas esse "ainda" é fundamental, porque a tendência, se mantendo a atual direção, é essa mesmo! Por isso, é necessária a luta por parte dos militantes revolucionários que estão no PSOL.
 
O mais importante de tudo é que os militantes do PSOL que querem lutar pela revolução socialista não devem ter medo de "afastar" setores ou "dividir" o partido. Independente da possibilidade ou não de ganhar a maioria do PSOL, a luta constante vai criar melhores condições de organização e clareza política para a unificação dos revolucionários. 

3 comentários:

  1. Saudações, companheiros,

    Como foi citado o resultado em Fortaleza, faremos um breve esclarecimento:
    A votação de Renato Roseno cresceu em relação ao último pleito, mas manteve-se atrás de três quatro candidatos burgueses, de matizes variando da ultra-direita à pseudo oposição. O importante desse fenômeno é o fato de organizar em torno do debate político os setores alfabetizados - demonstrando a ânsia por achar um programa contrário ao projeto implementado por governo e oposição burguesa.
    No entanto, o mais importante, em nossa opinião, nesse processo é o avanço do número de abstenções no processo eleitoral. O regime, ainda que sustentado por amplas camadas que vivem na miséria, não goza de credibilidade na perspectiva dos setores afastados do lumpesinato. Significa terreno fértil para o florescimento de organizações revolucionárias.
    Caros, a construção de um partido revolucionário precisa ser objeto de uma discussão específica, ampla e aberta - para que possamos atualizar aquilo que seja necessário das lições que o bolchevismo nos deixou. Provavelmente seja esse o próximo tema a abordarmos em nosso blog.
    Firmes na luta!

    ResponderExcluir
  2. É infelizmente a CST e o PSTU romperam sem romper com o edmilson pois continuando indicando o voto "crítico" no cara.

    ResponderExcluir

Mais lidas nesse mês:

Mais lidas do blog:

SEGUIDORES