QUEM SOMOS NÓS

Minha foto
Somos uma organização marxista revolucionária. Procuramos intervir nas lutas de classes com um programa anticapitalista, com o objetivo de criar o Partido Revolucionário dos Trabalhadores, a seção brasileira de uma nova Internacional Revolucionária. Só com um partido revolucionário, composto em sua maioria por mulheres e negros, é possível lutar pelo governo direto dos trabalhadores, como forma de abrir caminho até o socialismo.

terça-feira, 21 de abril de 2009

Cai a máscara de Sérgio Cabral: Rio de janeiro tem governador nazista (novembro/2007)

Recentemente, o governador do Estado do Rio de Janeiro declarou que as mulheres moradoras das favelas deveriam fazer aborto, pois elas são “máquinas de fabricar marginais”.

Essa declaração revela todo o conteúdo nazista, racista e machista da direita que usa o “Caveirão” do BOPE para assassinar indiscriminadamente os trabalhadores pobres e negros das favelas.

Os grandes meios de comunicação, como a Rede globo, fingiram combater as posições do governador nazista dizendo que não se deve tolerar o aborto. Ou seja, o fato de afirmar que as crianças de favelas (negras em sua maioria) são marginais, já é aceito pela grande imprensa como algo sobre o qual paira o consenso.

Sérgio Cabral não defende a descriminalização do aborto, mas o genocídio nazista.

Muitas militantes sinceras do movimento feminista, a princípio, acharam que Sérgio Cabral defende a descriminalização do aborto. Isso é um engano. O que ele defende é o extermínio dos negros das favelas. Nesse extermínio promovido pela direita todos os métodos são válidos: desde o aborto até o assassinato puro e simples. Por isso, as operações da polícia nas favelas estão em um crescente. Por isso, o governador nazista chegou a afirmar que “o povo do Rio de Janeiro deveria agradecer ao BOPE”.

Nós, ao contrário, defendemos a descriminalização do aborto como uma forma de combater a opressão sobre as mulheres e as condições sub-humanas a que são submetidas as mulheres trabalhadoras que são obrigadas a abortar. É uma política oposta à da direita hipócrita que deseja seguir criminalizando as mulheres trabalhadoras e, ao mesmo tempo, sugerir práticas de extermínio de crianças negras de favelas.

Perante a ofensiva da direita nazista oposição classista na política e auto-defesa nas lutas.

Essa declaração do governador nazista não acontece em um contexto isolado. Os movimentos integralistas e neonazistas têm mostrado sua cara: recentemente, uma jovem foi agredida por grupos de ultra-direita no Rio de Janeiro. Cartazes anti-comunistas podem ser vistos em algumas ruas da cidade, o jornal “O Globo” publicou matéria de página inteira dando destaque a um geneticista que diz serem os negros menos inteligentes que os brancos. Nesse contexto, atém mesmo a direita passa a se organizar nos movimentos sociais através de agrupamentos como o “Movimento Cansei”, “Movimento Grande Vaia”, “Movimento Mulheres pela Vida”, Movimento PUC pela Paz”....

É uma conjuntura na qual a direita se sente livre para fazer publicamente suas declarações nazistas e agir com agressão física contra negros, mulheres e homossexuais, como a polícia faz nas favelas e os grupos neonazistas fazem no asfalto. Isso coloca na ordem do dia a necessidade de apoiarmos TODA E QUALQUER ação dos grupos oprimidos em sua auto defesa.

Por outro lado, devemos combater politicamente as posições políticas da direita lutando para que os movimentos sociais dêem uma batalha efetiva. Essa batalha só pode ser travada através da construção de oposições classistas em todos os movimentos e centrais. As tarefas dessas oposições classistas seriam propor ao movimento organizado que lute contra os governos de direita e que, ao invés de tentar empurrar o governo Lula para a esquerda, passem a ter a estratégia de um governo revolucionário exercido diretamente pelos trabalhadores e a serviço da construção do socialismo, única forma de combater definitivamente o nazismo e o fascismo que volta a ameaçar a classe trabalhadora.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Mais lidas nesse mês:

Mais lidas do blog:

SEGUIDORES